uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Cavaleira Maria Mil Homens morre dois dias depois de Conchita Cintrón

Tinha 80 anos e foi uma das primeiras mulheres a triunfar nas arenas

Lidou toiros nas principais praças portuguesas e levou a emoção da festa a Angola onde toureaou durante cinco meses. Maria Mil Homens nunca deixou de trabalhar no campo, mesmo quando teve fama e ganhou bom dinheiro.

Edição de 26.02.2009 | Cultura e Lazer
A cavaleira tauromáquica Maria Mil Homens morreu na quinta-feira 19 de Fevereiro, vítima de doença súbita, em Samora Correia. A toureira samorense tinha 80 anos e faleceu no dia em que O MIRANTE publicou a morte da sua contemporânea e amiga Conchita Cintrón, referindo que Maria Mil Homens Chaparro ainda estava entre nós.Infeliz coincidência. Já com o jornal nas bancas, Maria Mil Homens sentiu-me mal, foi assistida no Centro de Saúde de Samora Correia onde acabou por morrer, apesar do esforço dos médicos e enfermeiras que a assistiram.Maria Mil Homens foi uma das primeiras mulheres portuguesas a desafiar os toiros em arenas e foi uma figura ao lado das mais conceituadas da época. Criada pelos avós no meio do campo, onde sempre teve contacto com os cavalos, Maria Mil Homens cedo percebeu o gosto que tinha pelo toureio a cavalo. Com 10 anos de idade já montava a cavalo. Era este o meio de transporte que utilizava quando tinha de ir fazer alguns recados aos avós. Numa entrevista a O MIRANTE contou que para conseguir subir para o cavalo precisava, muitas vezes, de se apoiar num banco de madeira. Um dia, foi convidada para ir assistir a uma brincadeira com touros numa arena existente na Herdade da Baracha. Mal chegou ao local, foi logo convidada para tourear um garraio. Começou aí uma carreira notável. Maria Mil Homens participou em dezenas de corridas nas principais praças portuguesas, ganhou bom dinheiro, mas nunca deixou de trabalhar no campo para ajudar a família. “Lidei touros do Minho ao Algarve, sempre com praças cheias de gente”, dizia com orgulho. O grande momento da sua curta carreira aconteceu em 1951. Nesse ano, foi convidada a participar em várias corridas de toiros que se realizaram em Angola. A sua actuação foi tão brilhante que só conseguiu deixar o continente africano ao fim de cinco longos meses de corridas. As suas grandes actuações foram em Benguela e Lobito. As praças enchiam e os aficionados aplaudiam em pé.Maria Mil Homens Chaparro foi distinguida como cidadã de mérito pela sua terra na Gala do Foral 2005. Era uma mulher simples e trabalhadora. Admirada por centenas de pessoas que se despediram da cavaleira na sexta-feira.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...