uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Fátima venceu Monsanto num jogo do nada

Fátima venceu Monsanto num jogo do nada

Fatimenses já tinham garantido o play off da subida e monsantenses a manutenção
Edição de 06.05.2009 | Desporto
Centro Desportivo de Fátima e Grupo Desportivo e Recreativo de Monsanto as duas equipas, actualmente, mais representativas do distrito de Santarém no futebol nacional, disputaram domingo, um jogo a contar para a fase de apuramento de campeão da série C do Campeonato Nacional da Segunda Divisão. Um jogo do nada, as duas equipas já tinham garantidos os seus objectivos. O Fátima já tinha garantido o título de campeão de série e a passagem ao play off de subida à Liga de Honra. O Monsanto também já tinha garantido a manutenção.Previa-se um jogo de festa, mas logo à partida ao olhar para as bancadas, notou-se uma estranha ausência de público. “Esperam para fazer a festa da subida e até da conquista do título nacional”, dizia um responsável, embalado na excelente carreira da equipa de Fátima.Assim o jogo servia apenas para cumprir calendário e os jogadores das duas equipas interiorizaram essa situação, numa partida que acabou por se desenrolar numa toada lenta e com pouco interesse. O treinador Rui Vitória também aproveitou para fazer a gestão do plantel, deixando de fora alguns dos jogadores mais utilizados. Mesmo assim o Fátima com melhores valores, resolveu o jogo em dois minutos. Aproveitando dois lances de apatia da defesa do Monsanto, aos 27 e 28 minutos, João Fonseca e Bruno Matias fizeram dois golos colocando o Fátima com uma vantagem confortável, que foi gerindo ao longo do resto do jogo.A segunda parte foi ainda mais monótona do que a primeira. As duas equipas acomodaram-se e embora os jogadores do Monsanto se esforçassem um pouco mais, nunca conseguiram colocar em perigo a vitória do Fátima. Os comandados de Vítor Alves, que do banco bem os tentava motivar, acabaram por marcar o tento de honra já em período de compensação, através de uma grande penalidade convertida por Pedro Fazenda.Logo a seguir o árbitro António Resende, que veio de Aveiro e fez uma boa arbitragem, deu o jogo por terminado e os jogadores e treinadores das duas equipas saíram do campo abraçados. Foi a parte mais bonita do jogo.Rui Vitória lamenta ter que disputar um play offNo final do jogo, na habitual conferência de imprensa, o treinador do Fátima, Rui Vitória, mostrou-se satisfeito com a prestação dos seus jogadores neste jogo “do nada” e com a conquista dos dois pontos. “É importante continuar a vencer, para que os jogadores não desmobilizem e percam a dinâmica de vitória”, disse.Mas o técnico estava mais contra o facto da sua equipa ter que disputar uma eliminatória a duas mãos para subir à Liga de Honra. “Dominámos a série C da Segunda Divisão desde o início, fomos os primeiros a assegurar a presença no acesso aos campeonatos nacionais, ainda faltavam duas jornadas para o fim desta fase. “É uma crueldade, é quase criminoso, obrigar uma equipa com este desempenho a disputar uma eliminatória a duas mãos para alcançar os objectivo de subida. Um objectivo mais que merecido, mas que vai ser muito difícil e é sempre imprevisível”, lamentou.Rui Vitória ainda não sabe quem vai ser o seu adversário, só na última jornada, Carregado e Lagoa decidem qual deles vai chegar ao play off. Mas assegura que a evolução que a sua jovem equipa tem conseguido ao longo da época lhe dá muita confiança. “Tenho à minha disposição um grupo de jogadores que têm vindo a disputar autênticas finais, mostram uma grande vontade de aprender e integram-se num colectivo muito forte, por isso a minha confiança é muito grande. Garanto que, independentemente dos resultados que venhamos a alcançar, sairemos sempre do campo com um elevado sentido do dever cumprido”.Vítor Alves criticou ausência dos responsáveis do futebol distritalO técnico do Monsanto, Vítor Alves mostrou bem a satisfação pelos objectivos conseguidos pelas duas equipas, deu os parabéns aos seus jogadores e a toda a estrutura do Fátima, e foi muito crítico face à ausência de responsáveis do futebol distrital a assistir ao jogo. “Estávamos perante um jogo de festa, um jogo que opunha as duas equipas que são, actualmente, as mais representativas do distrito. Um jogo que comemorava a obtenção de objectivos bem difíceis, por isso penso que merecia a presença dos responsáveis da associação, isso não aconteceu e não posso deixar de o lamentar”, disse com desassombro.Vítor Alves chamou a atenção para o trabalho efectuado por toda a estrutura do Monsanto, mas não confirmou ainda a sua continuação no clube. “Quando me apresentei neste clube há três anos, não esperava estar cá tanto tempo, nem estar-mos no patamar em que estamos. O futuro a Deus pertence. Só depois do último jogo nos debruçaremos sobre o futuro. Será a estrutura do Monsanto a decidir se quer ou não dar continuidade a este projecto, que não foi fácil, que honra o nosso distrito”, disse.“Vamos ver o que é que o futuro vai dar. Por mim, não descarto possibilidade alguma, sei que as pessoas também estão satisfeitas com o trabalho que tem sido realizado. Nós também queremos sempre mais e melhor, mas também sabemos das dificuldades, não podemos ter sonhos megalómanos. Vivo ali em Monsanto com prazer, e se isso poderá dizer alguma coisa, acredito que dentro de 10 ou 15 dias teremos mais certezas quanto ao futuro”, garantiu Vítor Alves.
Fátima venceu Monsanto num jogo do nada

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...