uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Terra Chã quer recuperar Gruta de Alcobertas e criar acessibilidades para deficientes

Edição de 13.05.2009 | Sociedade
Já foi considerada "uma das mais belas grutas da Europa", mas a incúria ditou a destruição de um lugar de interesse arqueológico que a Cooperativa Terra Chã quer agora recuperar e tornar visitável para pessoas com mobilidade reduzida. O projecto da Terra Chã visa não só a recuperação dos danos que a Gruta de Alcobertas foi sofrendo ao longo dos anos - de tal forma que teve de ser encerrada ao público só sendo possível as visitas com marcação prévia -, mas também permitir que ela seja visitada por pessoas com mobilidade reduzida e invisuais (com recurso ao tacto).Júlio Ricardo, da direcção da Cooperativa Terra Chã, diz que o projecto foi alvo de uma primeira candidatura ao Programa de Cooperação Territorial do Espaço Sudoeste - Interreg Sudoe - em parceria com grutas do Sul de França e de Espanha, em 2008, mas não foi aprovado, estando em preparação nova candidatura. Além da acessibilidade, o projecto prevê a recuperação com o objectivo de tornar a gruta num "espaço de interpretação subterrâneo", quer na vertente da espeleologia, quer ambiental, quer arqueológica, adianta.A Gruta de Alcobertas, com uma extensão de 210 metros e, em alguns locais, uma altura de nove metros, foi habitada pelo Homem do Paleolítico Superior (há cerca de 15.000 anos) e nela foram encontradas ossadas relativas a possíveis enterramentos no Neolítico.Um projecto privado, que visava explorar a gruta mas nunca foi concluído, deu os primeiros golpes na beleza natural do lugar, ao destruir elementos para traçar um percurso de visita, destruição que se acentuou com o acesso ao local de pessoas que simplesmente arrancaram estalactites e estalagmites "para levar como recordação".Desde que a Cooperativa Terra Chã assumiu a responsabilidade da Gruta (com o acordo do Parque Natural das Serras d'Aire e Candeeiros), inserindo-a nos percursos na natureza que realiza na zona, a porta de acesso passou a estar fechada a cadeado. A porta de ferro é agora aberta apenas quando se realizam visitas marcadas, essencialmente de alunos do primeiro ciclo e idosos (dada a boa acessibilidade), mas também de estudantes universitários no âmbito de projectos de investigação ou ainda inseridas em percursos temáticos, como as rotas dos Pastores e das Orquídeas, ou de simples passeio pela serra, organizadas pela Terra Chã.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...