uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Nova lista dos “Independentes por Tomar” quer ganhar a câmara ao PSD

Nova lista dos “Independentes por Tomar” quer ganhar a câmara ao PSD

Pedro Marques, ex-presidente da câmara pelo PS, volta a liderar a equipa

Rosa Dias dá lugar a Graça Costa, ex-PSD, no segundo lugar na lista.

Edição de 20.05.2009 | Política
O grupo “Independentes Por Tomar”, liderado pelo actual vereador Pedro Marques, apresentou sábado, 16 de Maio, alguns candidatos para a câmara, assembleia municipal e assembleias de freguesia do concelho. Pedro Marques tem como número dois Graça Costa, que até há poucas semanas foi uma das líderes da bancada social-democrata na Assembleia Municipal de Tomar. O número três da lista à câmara é José Soares. Jorge Neves, que liderou a extinta Região de Turismo dos Templários, foi apresentado como cabeça de lista à assembleia municipal. Os “Independentes Por Tomar” concorrem nas próximas eleições autárquicas a 14 das 16 freguesias do concelho. Para as assembleias de freguesia foram apresentados Francisco Salgueiro (Santa Maria dos Olivais), Augusto Barros (São João Baptista), Américo Pereira (Junceira) José Luís (Casais) Artur Fernando (Asseiceira), Leonel Alcobia (Alviobeira), Rui Oliveira (Carregueiros) e José Carrão (Madalena). Em outras freguesias estão listas constituí-das mas ainda não está definido o cabeça de lista, referiu Pedro Marques. O mandatário financeiro é Victor Viana, tal como aconteceu nas últimas eleições.A grande alteração na equipa dos independentes prende-se com a saída de Rosa Dias, actual vereador na Câmara de Tomar, que dá lugar a Graça Costa, que recentemente apresentou a sua demissão como militante do PSD. Rosa Dias, 66 anos, sai por razões pessoais e vai ser o mandatário da campanha dos Independentes de Tomar e não integra qualquer lista. Pedro Marques emocionou-se, por instantes, na despedida. “Se houver algum político eleito depois do 25 de Abril e que vai ser reconhecido daqui a 50 anos é o professor Rosa Dias”, disse em tom embargado pelas lágrimas. Rosa Dias, que chegou a ser vereador na câmara pela CDU quando Pedro Marques assumia a liderança da autarquia, deixou uma mensagem de confiança à nova equipa. “Ao fim de quatro anos vejo com alegria que este projecto ganhou confiança para conseguir uma mudança em Tomar”, apontou. Graça Costa disse a O MIRANTE que o convite de Pedro Marques foi posterior ao seu pedido de demissão do PSD e que a apanhou desprevenida. “Fiquei contente porque me deu a oportunidade de fazer algo de consistente na área social pelo meu concelho”, apontou a socióloga. Graça Costa diz que o convite dos Independentes por Tomar surge “como uma oportunidade de se reconciliar com a política”, uma vez que quando apresentou a sua demissão encontrava-se muito desencatada com o movimento partidário. As linhas condutoras do projecto dos “Independentes por Tomar” passam, entre outras, pelo desenvolvimento do concelho, através do incentivo ao investimento e emprego, no apoio às franjas da população mais frágeis (como os idosos e as crianças) e ainda na área dos projectos culturais. No sábado apresentaram, de forma sucinta, dois projectos: o da criação de centros de convívio para idosos, em estreita ligação com as associações e colectividades, e a aposta na vertente cultural como, por exemplo, a promoção de uma bienal de artes, um festival de teatro humorístico ou a institucionalização de ciclos de piano. Dentro de um mês, o grupo “Independentes por Tomar” apresenta a sua lista completa de candidatos. A sede da candidatura situa-se na Rua Serpa Pinto (Corredoura) tal como há quatro anos e deve abrir ainda durante esta semana. As duas mil assinaturas que viabilizam a candidatura começam a ser recolhidas em breve. A campanha, financiada por particulares, só sai para a rua depois das eleições europeias. Uma câmara que oscila entre o PS e o PSDA Câmara Municipal de Tomar começou por ser liderada pelo PS em 1976, tendo passado para a Aliança Democrática (PSD/CDS/PPM) de 1979 a 1985, ano em que venceu o PSD. Regressa ao PS com Pedro Marques em 1989 e de novo ao PSD em 1997, com o independente António Paiva. Ao assumir funções executivas no Programa Operacional do Centro, no início de 2008, António Paiva deixou a liderança do município ao actual presidente Fernando Corvêlo de Sousa. O actual executivo municipal conta com quatro eleitos do PSD, dois dos Independentes por Tomar e um do PS.
Nova lista dos “Independentes por Tomar” quer ganhar a câmara ao PSD

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...