uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Urbanização da Cevadeira ameaça escola

Urbanização da Cevadeira ameaça escola

Linha de água desviada para junto de estabelecimento de ensino
Edição de 21.05.2009 | Sociedade
O desvio da ribeira na zona da EB1da Castanheira do Ribatejo, concelho de Vila Franca de Xira, está a preocupar a população da freguesia. A obra, que decorreu da movimentação de terras na Urbanização da Cevadeira, contígua à escola, implicou a aproximação do curso de água da escola, podendo colocar em risco a estabilidade da estrutura. O presidente da Junta de Freguesia da Castanheira do Ribatejo, Ventura Reis, confessou a O MIRANTE a preocupação com a obra. “Como é que alguém se atreve a encostar a linha de água ao edifício? Não faz sentido. Os arquitectos dizem que a obra não põe em risco a escola agora, mas poderá acontecer dentro de alguns anos”, refere. O autarca alerta para que “a urbanização não pode ser construída sem ser reposta a legalidade e não basta colocar pedregulhos e terras no leito se não, quando chover, vai tudo parar à baixa da Castanheira”. As obras da urbanização estão paradas desde Novembro de 2008, por embargo da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, na sequência de desconformidades encontradas entre o projecto da obra e os trabalhos realizados no terreno. A autarquia exigiu ao construtor o reperfilamento da ribeira e alterações no projecto de espaços verdes e arborizações previstas para a margem esquerda da linha de água, onde se incluem várias exigências do Instituto Nacional da Água (INAG). O construtor entregou já um projecto de alterações ao estudo de loteamento. As obras têm vindo a libertar saibro e detritos quando chove, que entopem os colectores de águas pluviais. A situação tem merecido as críticas da CDU de Vila Franca de Xira. O MIRANTE tentou contactar com concelho executivo do Agrupamento de Escolas António Ataíde, ao qual pertence a escola em causa, mas aquele órgão recusou prestar quaisquer declarações. A empresa João Salvador, responsável pela obra, apesar de solicitada por diversas vezes, não prestou qualquer esclarecimento até ao final da edição. A urbanização da Cevadeira, que irá ocupar uma área loteada de mais de 131 mil metros quadrados, vai albergar 226 habitações. O empreendimento, que inclui 117 lotes de habitação, 50 para serviços e sete para comércio, foi aprovado em 1999. A urbanização encontra-se contígua à Quinta dos Anjos, embargada também na sequência de recomendação governamental.
Urbanização da Cevadeira ameaça escola

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...