DEZ SORRISOS PARA 2010 | 06-01-2010 16:20

2009 foi um ano “pobrezinho” para a tauromaquia portuguesa

2009 foi um ano “pobrezinho” para a tauromaquia portuguesa
Sentado numa poltrona, a pouca distância da lareira, Fernando Palha, ganadeiro de Vila Franca de Xira, recorda 2009 como um “ano pobrezinho”. A tauromaquia portuguesa tem sido invadida por “novas modas espanholas” e Fernando Palha, 77 anos, não aprova as novas tendências. “Está-se a cair numa coisa completamente errada, que vem de Espanha e que se chama o toiro monstruoso. Anunciam-se toiros em cartazes com mais de 500 quilos. Mas isso está errado. O toiro não se vende ao quilo nem ao metro. O toiro tem de ser um atleta e não um obeso. Foi um mau ano para a tauromaquia”, lamenta. “Enquanto aficionado também foi um ano triste, houve muitos meninos prodígio que me decepcionaram imenso. São más cópias dos seus pais e avós. Não foi uma temporada que me deixe saudades”, refere. O ganadeiro recorda 2009 como um ano marcado pelo desemprego e falência de empresas. “Acho que estamos iguais ou piores do que no início da República. Perdeu-se a vergonha, o sentido da honra, a dignidade e agora até se perdeu o dinheiro”, ironiza. Para Fernando Palha a melhor notícia do ano foi a partilha de pelouros na Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, anunciada em primeira mão pelo jornal O MIRANTE. “Acho que a política é a arte de mentir com alegria e tenho horror à mentira. Mas sinto que as coisas só na mão de um partido não têm grande jeito. Penso que esta dispersão de pelouros pode ser muito positiva para todos se o souberem aproveitar, mas este ano o dirá”, conclui. O ganadeiro deseja que no novo ano o clima económico e social melhore. “Para chegarmos ao final do ano e ouvirmos o Presidente da República falar de uma maneira”, ao contrário do que aconteceu o ano que passou, remata.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo