uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Clamoroso Serafim das Neves

Clamoroso Serafim das Neves

Edição de 13.01.2010 | E-mails do outro mundo
Clamoroso Serafim das NevesEsta noite tive um pesadelo autárquico de todo o tamanho. Os Planos Directores Municipais que estavam suspensos começaram a cair como chuva. E com estrondo. Desatei a fugir mas fui atingido por uma Reserva Agrícola e duas Reservas Ecológicas bem obesas. Só se viam as minhas perninhas a dar a dar debaixo delas. Acordei com falta de ar e não deixo de pensar no assunto. Fui ver ao arquivo e encontrei dezenas e dezenas de PDM suspensos. Quase todos, por assim dizer. E estão suspensos por arames que eu bem vi. E cada vez há mais pedidos de suspensão de PDMs. O meu sonho era real. Há alguns PDM que estão no osso. Só a introdução é que ainda não foi suspensa. Está tudo a baloiçar ao vento da ocasião. Até os índices estão suspensos. E os anexos também. Eu já tinha ouvido falar nos Jardins Suspensos da Babilónia. Agora fiquei a conhecer os PDM suspensos cá da parvónia. Eu bem sei que um PDM não serve para nada. Nem sequer para atrapalhar. São os PDM e as leis. Fizeram-se para desrespeitar. São como jarrões chineses. Ficam ali a um canto a ganhar pó. Os autarcas olham para eles e sorriem. O arquitecto Ribeiro Telles diz que os primeiros PDM foram feitos por ignorantes. Eu cá acho que não. Foram feitos por sumidades. Portugueses de gema. Técnicos competentes. São mais maleáveis que gelatina. Imagina que no PDM é proibido construir em altura e tu queres fazer um mamarracho de dez andares. Suspende-se o PDM. É só escolher a altura. A altura do prédio e a altura do ano. Na terça-feira houve um jantar em Lisboa de homenagem ao ex-presidente da Comissão de Coordenação Regional de Lisboa e Vale do Tejo. Não fui mas tive pena. Fonseca Ferreira fica na história. Durante os anos que ocupou o cargo até costumavam confundi-lo com um meia distância no andebol, tantas eram as suspensões. Foi o responsável máximo por centenas de suspensões em insuspeitos PDM. Os presidentes de câmara e os técnicos municipais deram uma ajuda valiosa. Mas quem rubricava as jogadas era ele. Para o jantar de homenagem ser em beleza também deveria ter sido suspenso. Se calhar até foi. Eu proponho que seja dado um prémio ao município que tenha um PDM com os pés completamente assentes na terra. Que tenha um PDM integral como o arroz dos vegetarianos. Sem uma alínea suspensa. Com a REN e a RAN ainda virgens. Com as altas densidades e as baixas no sítio certo. Tragam-me um PDM sem nada suspenso e eu converto-me ao cristianismo. Eu e a Rússia toda. Que alegria terá a Senhora de Fátima que já anunciou tal milagre há carradas de anos e tem estado à espera. Para largar este tema nada melhor que falar nas limpezas das margens dos rios e das novas praças das cidades. Foi trabalho em profundidade. Não ficou um arbusto em pé, quanto mais uma árvore. Não há ervas, nem flores, nem silvas. Inertes e mais inertes, como eles dizem. Calhaus e calhaus. Limpinhos, roliços. Tratados com produtos químicos para ficarem branquinhos com os dentes das artistas de cinema. Não acabaram com a água mas é uma questão de tempo. Quando a Águas do Ribatejo lhes aplicar o novo tarifário vão ver como elas doem. Fica tudo rapado. Nem uma ervinha para amostra. Tudo como o peito do Cristiano Ronaldo. Sem qualquer pelo inestético. Saudações urbanísticas do Manuel Serra d’Aire
Clamoroso Serafim das Neves

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...