uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Os pinhões das festas de Santo Amaro já se venderam mais

Maria Sousa é há 55 anos presença frequente nas festividades junto ao Castelo de Ourém
Edição de 20.01.2010 | Economia
A 15 de Janeiro ou chove ou neva, comentam alguns. Este ano, para azar geral, cumpriu-se a tradição nas habituais comemorações em honra de Santo Amaro, padroeiro da terra junto ao Castelo de Ourém. Pelo menos assim lamentavam os clientes junto de Maria Sousa, que há 55 anos é presença frequente nas celebrações, vendendo próximo à velha e estreita capela os tradicionais pinhões. O negócio, refere, já teve melhores dias.Tinha 22 anos quando vendeu pela primeira vez pinhões nas Festas de Santo Amaro. Naquele tempo, o pequeno mercado que se ergue junto à igreja não era muito diferente. E o dia, lembra sorrindo, era a data em que as raparigas subiam ao Castelo de Ourém para arranjar namorado. Não foi o seu caso, comenta.Os visitantes vinham, tal como hoje, um pouco de todo lado, ainda que o movimento fosse maior noutros tempos. Quando as celebrações coincidem com o domingo, por vezes há música e a animação corre toda a rua. Pessoalmente, Maria Sousa prefere ir à missa. A Santo Amaro pede que lhe dê “boa venda, saúde e a graça do Senhor”. Os pinhões que prepara e vende situam-se nos 10, 5 e 3 euros a medida, um preço que já pratica há cerca de cinco anos. As pessoas “gostam muito” e compram, mas no ano passado vendeu muito mais, refere. Para ficarem bem tostados, os pinhões têm de ir ao forno de lenha cerca de três quartos de hora. Maria Sousa vende apenas à medida, mas a vizinha, Ana Maria Ribeiro, pegou numa agulha e linha e criou colares de pinhão, a um euro cada. As vendedoras salientam que apesar da falta de dinheiro geral que prejudica o negócio, a fé mantém-se e são muitos os que vêm a Santo Amaro fazer promessas.Os festejos de Santo Amaro perdem-se no tempo, havendo registos de que no século XVII já existia a capela, onde o dia era comemorado com grande “esplendor”, organizando-se procissões. Hoje, lembra o Padre Armindo Ferreira, que celebrou a eucaristia da manhã, celebram-se apenas duas missas no dia 15 de Janeiro.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...