uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Nersant quer ponte com duas vias e sob a tutela da Estradas de Portugal

Edição de 08.09.2010 | Sociedade
A direcção da Associação Empresarial da Região de Santarém – Nersant defende a integração da ponte rodoviária sobre o Tejo na zona de Constância na tutela da Estradas de Portugal, saindo da alçada dos municípios, que não têm capacidade financeira para a sua manutenção. E sugere que o projecto de recuperação do tabuleiro rodoviário da travessia, encerrado desde 20 de Julho por razões de segurança, contemple a existência de duas vias rodoviárias.A associação espera também que as soluções para resolver os problemas de segurança no tabuleiro rodoviário da ponte sobre o Tejo na zona de Constância “tenham uma aplicação prática imediata e não formas transitórias de ultrapassar o problema”. Em comunicado, a Nersant diz esperar que o acordo a celebrar entre o ministro das Obras Públicas, as câmaras de Constância e de Vila Nova da Barquinha, Refer e Estradas de Portugal tenha um carácter definitivo. A associação defende ainda que “o plano de trabalho seja de imediata execução para evitar alterações de prioridades e de intenções quando mudam governos ou responsáveis pelo Ministério das Obras Públicas”.Na sequência do encerramento da ponte ao trânsito rodoviário, a direcção da Nersant reuniu na segunda-feira com os presidentes das autarquias de Constância e Vila Nova da Barquinha e com representantes das empresas Mitsubishi e Celulose da Caima, ambas membros dos corpos sociais da Nersant.“A Nersant manifestou ainda compreensão e apoio à estratégia negocial das autarquias e a forma responsável e institucional que tem assumido com o Ministério das Obras Públicas. A execução do plano de trabalho vai provocar meses de constrangimento na mobilidade de pessoas e bens. Por isso, não é admissível o prolongar das negociações com o ministério e entidades. A celebração do acordo final tem de ser imediato e não pode condicionar o início do plano de trabalho proposto”, lê-se no comunicado.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...