uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Autarca de Vila Chã de Ourique regressou ao serviço após grave acidente

Autarca de Vila Chã de Ourique regressou ao serviço após grave acidente

Presidente da junta de freguesia perfurou pulmão e partiu quatro costelas

Luís Nepomuceno já recuperou mas a sua vida vai ficar marcada para sempre depois de queda de andaime.

Edição de 15.09.2010 | Sociedade
Luís Nepomuceno, presidente da Junta de Freguesia de Vila Chã de Ourique, concelho do Cartaxo, partiu quatro costelas e perfurou um pulmão e os brônquios na sequência de uma queda de quatro metros quando se encontrava num andaime. O acidente ocorreu na manhã de 30 de Junho e o autarca regressou ao serviço a 23 de Julho O autarca, de 45 anos, nunca pensou que aquele dia de trabalho lhe mudasse “significativamente” a sua maneira de encarar a vida. Os dias em contra-relógio, “contados ao segundo” deram lugar a dias mais calmos e sem stress. “Antes ‘passava-me’ se tivesse que esperar meia hora, agora estou na fila do banco durante uma hora ou mais e não me queixo”, explica Luís Nepomuceno a O MIRANTE na sala de reuniões do edifício da junta de freguesia.O presidente dirigiu-se a uma obra que a junta estava a realizar no pavilhão do Largo da Feira, naquela quarta-feira, 30 de Junho, para rectificar umas medidas. O acidente aconteceu quando o autarca estava quase de regresso. Ao colocar o pé em cima de uma tábua que tinha cimento seco escorregou. “Consegui agarrar-me a uma viga metálica da parede, mas esta estrutura tinha umas abas metálicas que me estavam a magoar debaixo do braço”, conta.Ao ficar suspenso decidiu que o melhor era deixar-se cair e quando chegasse ao chão enrolava-se para não se magoar tanto. “O problema foi que, no preciso momento em que me mandei para o chão a tábua em que escorreguei cedeu e também veio parar ao chão impossibilitando de me enrolar. Caí mesmo em cima da tábua”, recorda. Assim que “aterrou” Luís Nepomuceno apercebeu-se da gravidade da situação. Ao tocar no seu corpo percebeu que tinha partido as costelas. “Quando toquei não senti nada. Percebi que era grave porque tenho alguns conhecimentos médicos e sabia que o pulmão estava sem a protecção das costelas”, esclarece.Um vizinho que ouviu o autarca gritar durante a queda veio em seu auxílio. Os Bombeiros Voluntários do Cartaxo levaram-no para o Hospital de Santarém tendo sido encaminhado para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, dada a gravidade da situação. “Os médicos disseram à minha mulher que se eu não tivesse os músculos em tão boa condição não teria chegado vivo a Lisboa. Corri sérios riscos de vida. Os médicos que me operaram dizem que sou o único caso de sucesso em Portugal”, diz o presidente da junta, a quem foi colocado titânio para substituir as costelas partidas.Depois da operação seguiu-se um longo período de convalescença que incluiu muita fisioterapia, cujas sessões estão a terminar. Luís Nepomuceno confessa que nunca tomou tantos comprimidos na vida, durante o mês que esteve internado nos hospitais de Lisboa e Santarém. O autarca garante que não tem qualquer tipo de restrições a nível físico. “O médico diz que posso fazer tudo, desde que consiga. Ainda tenho algumas dificuldades em respirar correctamente. Não voltei ao ginásio, onde ia com regularidade, porque não me sinto capaz de fazer os exercícios, mas pretendo voltar assim que estiver preparado”, conta, acrescentando que os médicos lhe transmitiram que a sua energia positiva contribuiu muito para a sua recuperação.“Se calhar foi a teimosia que me salvou a vida”Luís Nepomuceno diz que com esta experiência aprendeu a dar mais valor às pequenas coisas da vida. O autarca conta a O MIRANTE que pela primeira vez em “muitos anos” tirou férias. “Não gosto de tirar férias porque tenho sempre que fazer, mas este ano tirei uns dias para estar com a família. Não podia apanhar sol por causa da cicatriz, mas estive numa praia algarvia. Todos os dias ia passear a pé”, revela.O presidente da Junta de Freguesia de Vila Chã de Ourique emociona-se ao recordar o apoio e demonstrações de amizade e solidariedade que teve nos momentos após o acidente. “Foi impressionante as manifestações de carinho de que fui alvo, até por muita gente que não esperava que se preocupasse comigo. Conheço muita gente, também por força da minha actividade política, por isso nem sempre sabemos que tipo de amizades temos com algumas pessoas. Foram todos espectaculares no apoio que me deram”, conta com os olhos marejados de lágrimas.Luís Nepomuceno sempre foi saudável e nunca tinha estado numa cama de hospital. Diz ser uma pessoa “muito positiva”, com fé e que não desiste das coisas de ânimo leve. “Se calhar foi a teimosia que me salvou a vida”, diz em jeito de brincadeira, realçando a maturidade que as duas filhas tiveram durante todo o processo.O autarca conta, em jeito de brincadeira, que nunca gostou de queijo, mas que depois do acidente, a primeira coisa que faz quando entra num supermercado é comprar queijo. “Nunca tinha comido queijo na vida e agora adoro. Não sei explicar porquê”, conclui.
Autarca de Vila Chã de Ourique regressou ao serviço após grave acidente

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...