uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Mega centro logístico cria 45 postos de trabalho no concelho de Azambuja

Fiege está instalada na freguesia de Vila Nova da Rainha

O centro logístico da Fiege é um dos três maiores da Península Ibérica. O espaço emprega 45 pessoas, mas o número de trabalhadores deverá duplicar em 2011/2012.

Edição de 29.09.2010 | Economia
O mega centro logístico da Fiege, a funcionar em Vila Nova da Rainha, no concelho de Azambuja, permitiu criar 45 postos de trabalho no concelho. Entre 2011 e 2012 a empresa prevê uma expansão que vai possibilitar o aumento do número de trabalhadores para o dobro, referiu a O MIRANTE o director geral da empresa em Portugal, Jorge Franco. A Fiege já estava a laborar em Azambuja, mas apenas com 20 colaboradores.O espaço com 22 mil metros quadrados foi inaugurado no dia 22 de Setembro, com a presença de autarcas locais, empresários e do secretário de Estado dos Transportes, Carlos Correia da Fonseca. O investimento rondou os 11 milhões de euros e ficou concluído no espaço de um ano. A empresa do grupo alemão Fiege dá prioridade a funcionários da zona disponibilizando-lhes depois formação interna. Jorge Franco lembrou que o projecto foi desenhado e concretizado em dois anos e meio e enalteceu a capacidade de ultrapassar a burocracia quando há vontade empreendedora e parceiros fortes, como a Whirlpool, Sumol/ Compal e Red Bull, entre outros.Azambuja passa a integrar assim, tal como Barcelona e Madrid o grupo de três mega centros da empresa na Península Ibérica. No total o grupo, criado em 1873, possui 20 mil trabalhadores distribuídos por 180 países.“A escolha de Azambuja teve a ver com a localização estratégica do concelho que está perto dos grandes eixos rodoviários”, explicou Jorge Franco, que no discurso de inauguração já tinha elogiado a filosofia de apoio da câmara local a projectos de logística. O secretário de Estado dos Transportes fez questão de salientar que não é a cortiça a economia de futuro ou até mesmo os têxteis do Norte, mas actividades como a logística, potenciando a ligação histórica de Portugal com o mar. “Tendo em conta as alterações conjunturais temos que ver onde estão as janelas de oportunidade”, alertou Carlos Correia da Fonseca lembrando que Portugal representa o primeiro ponto de encontro internacional da América com a Europa por via marítima. O presidente da Câmara Municipal de Azambuja, Joaquim Ramos (PS), garantiu que está empenhado em receber no concelho mais investimentos na área da logística, vector em que assenta parte da estratégia do município. “Hoje a logística é um serviço de tecnologia de ponta e altamente qualificado e mecanizado”, concluiu.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...