uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Rui Maltez

35 anos, empresário de restauração, Azinhaga

“Felizmente para Portugal e para os portugueses o Mundial de Futebol de 2018 foi bem entregue à Rússia. Se viesse para cá obrigava-nos a prestar mais vassalagem aos espanhóis e ia contribuir para elevar um pouco mais as já precárias contas portuguesas. Fiquei satisfeito por não vir para cá”

Edição de 07.12.2010 | Agora falo eu
A última recolha de alimentos do Banco Alimentar Contra a Fome bateu recordes. Também foi um dos contribuintes?Não fui contribuinte directo para essa campanha, mas sei que a minha esposa quando foi às compras contribuiu com a sua parte.A organização do Mundial de Futebol de 1918 foi bem entregue à Rússia?Felizmente para Portugal e para os portugueses foi. Se viesse para cá obrigava-nos a prestar mais vassalagem aos espanhóis e ia contribuir para elevar um pouco mais as já precárias contas portuguesas. Fiquei satisfeito por não vir para cá.Gostou de ver o Real Madrid perder 5-0 com o Barcelona?Não. Não gostei porque sou um grande fã do José Mourinho, na minha opinião o melhor treinador do mundo.Depois da Grécia e da Irlanda pedirem ajuda ao FMI e à União Europeia segue-se a vez de Portugal?Não sei se segue. Mas eu gostava que Portugal fizesse esse pedido. Porque penso que seria mais fácil e mais rápido sair da crise em que nos encontramos. Passaríamos um pouquinho mais no início mas depois recuperávamos mais depressa.Que acontecimento o marcou mais em 2010?A morte do meu conterrâneo José Saramago. Um ilustre português que nasceu na Azinhaga e que nos últimos anos colocou Portugal e a sua terra no mapa.Como vai ser este ano o seu Natal?O Natal este ano vai ser um pouco mais triste, vai faltar a presença do meu pai, que morreu este ano. De resto não vai ser muito diferente do habitual. Talvez seja preciso cortar um pouco nalgumas coisas, mas o bacalhau com couves e os doces da época não vão faltar.Que prenda mais o marcou na sua vida?Respondo sem hesitar: foi uma pista de automóveis que o meu pai me ofereceu quando eu tinha seis anos. Foi uma prenda muito desejada e foi uma grande surpresa quando abri o embrulho. Fiquei tão satisfeito que ainda hoje a guardo religiosamente.Face à situação que se vive em Portugal se pudesse emigrava?Eu gosto muito da minha terra e de Portugal. Já tive a oportunidade de emigrar e para um sítio bastante estável e não quis. Só emigraria se fosse de todo impossível governar a vida na minha terra.Costuma separar os resíduos para reciclagem?Faço de tudo. Guardo os óleos queimados, divido o papel, os plásticos e o vidro. Faço a reciclagem e incuto isso no meu filho.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...