De professor a recordista na política

Se há político com raízes na região, um deles é António José Ganhão. Nove mandatos de maioria absoluta não é para todos. O presidente da Câmara Municipal de Benavente, 65 anos, lidera o executivo no concelho há três décadas e nas últimas eleições autárquicas reforçou a maioria CDU em jeito de despedida já que este é o seu último mandato. O vice-presidente do conselho directivo da Associação Nacional de Municípios Portugueses é uma figura de viva voz no plano nacional. Tem um discurso sereno e ponderado que por vezes se assemelha ao do professor que foi no ensino secundário em Benavente. As preocupações sociais e a educação são uma prioridade na gestão que é feita ao cêntimo na câmara.É casado e tem dois filhos. Nasceu no campo, em Benavente. Estão na Quinta da Foz as primeiras memórias da sua infância. Foi ali que os pais e os irmãos trabalharam durante muitos anos, sacrifício a que o autarca foi poupado por se revelar bom aluno. É o mais novo de uma família de oito irmãos. Um tio materno soube que um sobrinho merecia estudar e decidiu pagar-lhe os estudos. Não fosse uma ruptura de ligamentos num joelho, também ainda hoje se poderia ouvir falar num tal “Ganhão”, jogador de futebol que dava nas vistas na década de setenta.Em 1964 entrou para o curso de Química na Faculdade de Ciências de Lisboa onde permaneceu até entrar para tropa, dois anos depois. Teve uma passagem fugaz de dois dias pela prisão, aos 18 anos, que o fez perder alguns medos. Durante vinte e três meses foi comandante de um pelotão na Guiné-Bissau, como alferes sapador especialista em minas e armadilhas. Quando regressou de África ainda tentou a vida de agricultor, mas depressa percebeu que não era aquele o seu futuro. Depois de uma campanha de tomate com o sogro entrou como professor na escola de Benavente, onde esteve dez anos. A física e a matemática eram as principais disciplinas, mas para ter horário completo deu também aulas de biologia, ciências da natureza, geografia, mercadorias e educação visual.Aderiu ao Partido Comunista só em 1974. Logo em 1976 candidatou-se às eleições autárquicas, mas perdeu por 35 votos. Tornou-se presidente por maioria absoluta nas eleições seguintes (1979).Vermelho por fora, verde por dentro. António José Ganhão é um sportinguista assumido, sem ser doente da bola. Normalmente entra ao serviço na câmara antes dos funcionários e sai quase sempre depois. O almoço de domingo é sagrado para a família.António Ganhão aproveita a Páscoa e o Carnaval para visitar o filho e o neto que vivem no Algarve. É também por terras do Sul que conquista o descanso a bordo do pequeno barco de borracha. “Creio que a grande satisfação da pesca está em aprender a falar com o mar. Em retirar daquela solidão uma serenidade que às vezes a gente não tem no dia a dia”, disse numa entrevista a O MIRANTE em 2003.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1380
    05-12-2018
    Capa Médio Tejo