uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Dois velejadores vão ao mundial de vela numa auto-caravana por falta de apoios

Alexandre Paulino e Luís Silva do União Desportiva Vilafranquense representam Portugal na Alemanha

Alexandre Paulino e Luís Silva sabem que é difícil mas perseguem o sonho de serem campeões do mundo, depois de vencerem o campeonato nacional e o ibérico de vela na classe Vaurien.

Edição de 20.07.2011 | Desporto
Dois velejadores do União Desportiva Vilafranquense há muito que sonham em serem campeões do mundo de vela na classe Vaurien e têm agora essa oportunidade. Alexandre Paulino e Luís Silva vão disputar o campeonato do mundo da classe que se realiza entre 30 de Julho e 5 de Agosto em Lembruch na Alemanha, no qual participam 60 equipas de vários países. Depois de se sagrarem campeões regionais, nacionais e ibéricos da modalidade, os desportistas não cabem em si de contentes com a participação na competição mundial, para a qual vão deslocar-se de auto-caravana pelo espírito de aventura e para pouparem dinheiro num tempo de crise em que os patrocínios escasseiam. “O que nos move é a paixão pelo desporto, o amor à vela e a carolice. Se não fosse a auto-caravana íamos pagar muito mais pela viagem e pela estadia”, revela Alexandre Paulino, 39 anos, a O MIRANTE. Os dois atletas estão inseridos numa formação nacional que inclui uma equipa da Cimpor de Alhandra (concelho de Vila Franca de Xira) e três equipas de Viana do Castelo. “Não vamos chegar à Alemanha e começar logo a competir, teremos dois dias de pausa enquanto se fazem as verificações nos barcos, as medições e a análise das velas”, assegura Alexandre Paulino. Os dois atletas arrancam de Vila Franca a 27 de Julho. Nascido na Austrália, filho de emigrantes portugueses, Alexandre Paulino chegou a Alhandra aos dois anos de idade. Foi nesta vila que começou a apaixonar-se pela vela, desporto que o pai já praticava. Aos 11 anos foi morar para a sede de concelho, Vila Franca de Xira, onde continua a residir. O seu colega Luís Silva, de 38 anos, é natural de Salvaterra de Magos mas mora em Alhandra. “Comecei na vela por carolice e brincadeira mas nunca mais larguei esta modalidade. Há sete anos que estou nisto e continuo porque gosto muito”, revela Luís Silva. A interligação entre ambos tem sido fundamental para que alcancem bons resultados nas provas. “Damo-nos muito bem e estamos juntos há cinco anos. É uma parceria que tem resultado bem”, sublinha.“O nosso objectivo é dar o nosso melhor”O barco, avaliado em sete mil euros, vai até à Alemanha num reboque puxado pela auto-caravana que vai servir de transporte e de casa dos dois velejadores. O barco tem a particularidade de ter sido desenhado e construído por Alexandre Paulino. “Há quem faça um pé-de-meia para ir de férias no Verão. Nós poupamos para ir ao campeonato do mundo. Já ficámos num oitavo lugar entre 60 barcos, que foi um bom resultado. É difícil vencer mas não é impossível. O nosso objectivo é dar o nosso melhor e levar bem longe a bandeira de Vila Franca de Xira e de Portugal”, contam. Os seus maiores rivais serão os espanhóis e italianos, que têm outro tipo de apoios. “Enquanto nós temos de trabalhar e dedicar os tempos livres à vela eles são atletas que fazem vela a tempo inteiro. E isso faz toda a diferença”, revelam os campeões nacionais da classe. A aventura por terras alemãs vai custar perto de 3500 euros. A Câmara Municipal de Vila Franca vai comparticipar com 750 euros. O resto vai ser pago do bolso dos dois velejadores. “Já nos zangámos em plena regata mas depois cá fora fica tudo bem. É apenas no calor da competição. O barco é composto por duas pessoas e sabemos que se um de nós falhar está a prejudicar o outro por isso temos a noção da necessidade de tentar fazer o nosso melhor”, refere Alexandre Paulino com a concordância de Luís Silva. Os velejadores levam na bagagem a amizade e a ambição mas não escondem a tristeza que sentem pelo facto do desporto em Vila Franca estar a passar por um mau bocado. “Fico triste por ver que não há mais jovens a querer praticar a modalidade. As pessoas estão ainda um pouco afastadas do rio e parece-me que é necessário fazer-se alguma dinamização e divulgação deste desporto”, refere Alexandre Paulino. Os dois atletas esperam obter um resultado que leve os mais novos a optarem por este desporto porque, garantem, “Vila Franca tem óptimas condições para a prática da vela”. O regresso está marcado para o dia 6 de Agosto.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...