uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Estamos muito mal habituados

Edição de 20.07.2011 | O Mirante dos Leitores
Para se fazer uma análise desapaixonada dos novos preços da água praticados por algumas empresas, será preciso ter em conta o que se passou até à bem pouco tempo. Quando eram as autarquias a captar a água e a distribuí-la, os preços praticados eram muito baixos. Uns chamavam-lhes preços sociais e outros preços políticos. Não concordo com uns nem outros. Não actualizar o preço da água durante anos e anos para não sofrer danos políticos foi uma péssima medida. É bem certo que a certa altura, perante o escândalo e o regabofe que se vivia o legislador obrigou a que os municípios não pudessem vender a água abaixo do custo (captação, distribuição, construção e reparação de condutas, custo com materiais e com pessoal), mas os políticos conseguiram iludir a situação e ultrapassar a lei mantendo a situação. Os que tinham genuína vontade de cumprir e que sentiam necessidade de fazer reflectir os custos reais no preço eram massacrados pelos opositores e pela população. Em matéria de ambiente e recursos naturais ainda temos um longo caminho a percorrer, como é sabido por quem tem consciência cível. A água é um bem escasso. Não há muita água potável na terra e a maioria está congelada. Desperdiçando água como fazemos e não sendo penalizados por esse “crime” que irá afectar os vindouros, antes sendo incentivados por preços muito baixos, vamos acabar por criar uma situação insustentável. Quanto às taxas de saneamento e de recolha de resíduos basta olhar para os investimentos que têm sido feitos a esse nível para perceber porque as temos que pagar. Ou preferimos que o lixo continue a ser lançado em lixeiras a céu aberto e queimado, como antigamente? Já agora uma pequena explicação sobre equivalências. Um metro cúbico equivale a um quilolitro, ou seja, a mil litros e não a um litro como alguns contestatários nos tentam fazer crer, quando comparam o preço da água ao preço da gasolina. Se os preços fossem iguais e tendo em conta que a gasolina está, em média, a 1 euro e meio por litro, para calcular o preço do metro cúbico da água basta multiplicar por mil. E sem gasolina iremos conseguir viver...mas sem água, morremos todos, homens, animais e plantas. Não é verdade??!!Jorge Humberto Patrício Nobre

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...