uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Uma estação de comboios que engana muita gente

Uma estação de comboios que engana muita gente

Fátima dá nome a estação ferroviária que fica a 23 quilómetros do santuário

É frequente encontrar passageiros com destino a Fátima que ficam surpreendidos por saírem tão longe da cidade.

Edição de 20.07.2011 | Sociedade
Tem o nome de Fátima, mas a estação ferroviária em Chão de Maçãs, no concelho de Tomar, dista 23 quilómetros do famoso santuário com o mesmo nome, o que continua a provocar equívocos a quem aqui desembarca. “Quando chega aqui, muitas vezes, o turista diz assim: ‘Mas isto aqui não é Fátima? Mas está marcado ali Fátima e não é Fátima?’”, relata Manuel Conde Cavalheiro, taxista de 73 anos, 29 dos quais na praça de Chão de Maçãs, acostumado a desfazer estes equívocos e a solucioná-los, transportando ao verdadeiro destino os turistas.O taxista conta que a surpresa toma conta de muitas pessoas que têm como destino Fátima. “Vêm enganados”, resume Manuel Conde Cavalheiro, que já viu passageiros chegar e, depois de perceberem o engano, partirem no comboio seguinte: “Por vezes até dizem ‘eu não venho prevenido e nem pensei que era tão longe’ e regressam no próximo comboio”.José Rodrigues, de 61 anos, que se preparava para apanhar o comboio, acrescenta: “É uma estação que engana muito, porque Fátima é muito longe daqui. Às vezes as pessoas chegam aqui e ficam perdidas, começam à procura do santuário, onde é que está o santuário, mas não vêem nada aqui em volta”.Na década de 1950, mais de 30 anos depois dos acontecimentos da Cova da Iria, a estação já tinha o nome de Fátima, supondo-se que a mudança para essa designação tenha decorrido do crescente número de passageiros com destino ao santuário que ali desembarcavam.“Nessa época, o transporte para longe era o comboio, porque havia poucos carros, poucos autocarros”, explica João Guilherme, de 64 anos, também taxista, referindo que os peregrinos com “mais dinheiro” seguiam, depois, de Chão de Maçãs para Fátima em “carroça ou charrete”. “Os outros iam a pé”, continua João Guilherme, sublinhando que esta estação ferroviária é a mais próxima da cidade-santuário, pouco menos que Caxarias, no concelho de Ourém, município que chegou a reivindicar o nome Fátima para esta estação.Para o taxista, hoje já não há lugar a equívocos, porque a Internet esclarece: “Quando aqui chegam já sabem a distância, os preços, tanto de autocarro como de táxi, hoje já vêm elucidados”. A distância vai ficar mais curta com a conclusão do itinerário complementar (IC) 9, que liga Tomar à Nazaré e que contempla um nó próximo de Fátima, adianta por seu turno João Ferreira, taxista de 46 anos. “Esse tal IC9 poderá aproximar um bocadinho a estação da cidade”, considera.Indiferente ao nome da estação, Teresa Lousada, 52 anos, critica o encerramento da bilheteira, depois de obras de remodelação que deixaram a estação “muito bonita”, mas que, no seu entender, não se traduz em mais passageiros. “Sou de Tomar, utilizo-a diversas vezes para ir para Coimbra”, declara a utente que, além das críticas por a estação se encontrar fechada, assinala o facto de já ter sido “bastante mais” movimentada do que nos dias de hoje.
Uma estação de comboios que engana muita gente

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...