uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Cemitério do Carregado está por concluir há 14 anos e parece um estaleiro de obras

Cemitério do Carregado está por concluir há 14 anos e parece um estaleiro de obras

Moradores do Carregado dizem que o espaço não tem dignidade e estão revoltados com a situação

O novo cemitério do Carregado, inaugurado há 14 anos, continua por acabar e perto das campas existem grandes montes de terra alguns ainda resultantes das obras que parece não terem um fim à vista.

Edição de 27.07.2011 | Sociedade
O novo cemitério do Carregado, concelho de Alenquer, abriu há 14 anos e desde essa altura que se encontram no local grandes montes de terra resultantes da construção do equipamento. Uma situação que não agrada a muitas pessoas, como é o caso de Carla Pereira, que tem há três anos um cunhado sepultado no local, que tem ainda um aspecto de estaleiro de obras. Os montes de terra elevam-se por vários metros de altura. Os canteiros não têm flores. Dentro do cemitério há uma rotunda que está cheia de terra e ervas secas. Aqui e ali vê-se uma máquina de carregar terra com muita ferrugem nas juntas. Não fosse as sepulturas dir-se-ia que estávamos num estaleiro abandonado. Várias pessoas do Carregado estão revoltados com a situação e acusam a Câmara Municipal de Alenquer de não ligar à “dignidade” que merecem os mortos que ali se encontram sepultados e os seus familiares.Carla Pereira diz que nunca viu “nada de novo a ser construído aqui. Sei que o cemitério tem tido muitos problemas com a qualidade da terra mas não sei se é por isso que temos de conviver com todos estes montes. Não queremos aqui um jardim, queremos algo minimamente limpo que nos dê alguma paz de espírito num momento que é sempre difícil”, defende a O MIRANTE.Quem também está indignada com o estado actual do cemitério é Florência Rodrigues. Natural do Carregado, vai ao cemitério duas vezes por semana meter flores na campa do marido, falecido há seis anos. “Já não basta terem feito o cemitério longe do centro do Carregado e das igrejas ainda se lembraram de deixar isto tudo degradado, parece um armazém de terras à espera que os camiões as venham buscar. É uma revolta muito grande”, refere. Vários moradores do Carregado garantem que o cemitério está com uma “obra permanente” desde que foi inaugurado, em 1997. “Já falei com a junta de freguesia mas disseram-me que não era competência deles mas sim da câmara municipal. Mandei um e-mail à câmara a explicar o que se passa e o presidente explicou que o espaço se encontra assim por se tratar de um cemitério que ainda está em construção. Entretanto uns meses depois falei com o vereador responsável e ele disse que concorda com as nossas preocupações mas que as verbas que têm já estão todas gastas e que nada poderia fazer”, lamenta Carla Pereira. O MIRANTE contactou a Câmara Municipal de Alenquer sobre este assunto mas nenhuma resposta nos foi enviada até ao fecho desta edição.
Cemitério do Carregado está por concluir há 14 anos e parece um estaleiro de obras

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...