uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

“Falam de Matemática como se estivessem a falar de futebol”

Jovem de Alcanena conquista medalha de ouro nas Olimpíadas de Matemática realizadas na Holanda

Miguel Santos faz parte de uma família onde a Matemática é uma disciplina querida. A mãe é professora e um irmão também já foi medalhado num concurso nacional.

Edição de 27.07.2011 | Sociedade
Miguel Santos, estudante do 10º ano em Alcanena, conquistou sexta-feira uma medalha de ouro nas Olimpíadas Internacionais de Matemática, realizadas em Amesterdão, Holanda, um resultado inédito para a selecção portuguesa. Actualmente com 16 anos, Miguel Santos já tinha arrebatado uma Menção Honrosa nas Olimpíadas Internacionais de Matemática em 2010, e no ano anterior a medalha de ouro na competição portuguesa.“Consigo ver na matemática mais originalidade e mais criatividade do que em muitas outras coisas. E há sempre coisas em aberto que precisam de mais desenvolvimento”, confessou Miguel Santos, pouco antes de partir para a Holanda, no estágio final realizado na Universidade de Coimbra. O jovem de Alcanena já tinha sido notícia em O MIRANTE em Março de 2010 após ter ganho uma medalha de ouro nas Olimpíadas Portuguesas de Matemática, concurso onde o seu irmão mais velho, João Pedro, também conquistou uma medalha de prata. A mãe dos jovens, Isabel Martins, é professora de Matemática e explicou na altura a vocação dos filhos para uma disciplina que é uma dor de cabeça para muitos estudantes, referindo que os filhos “sempre gostaram muito” de Matemática e, por vezes, até já a ultrapassam: “No entusiasmo, pelo menos”.Em casa, disse, os filhos “falam de Matemática como se estivessem a falar de futebol” e “conversam um com o outro” sobre a área que os apaixona, ao ponto de, às vezes, o pai, bancário, até desabafar “tirem-me deste filme”.Miguel também reconheceu que é “preciso uma pausa” numa casa com “três pessoas a falar de Matemática”, mas, embora a sua juventude ainda não a faça preocupar-se muito com o futuro, sabe que é a área que gostava de seguir. “Gostava de ensinar, acho importante passar os conhecimentos e as capacidades que temos”, disse, enquanto João Pedro repetia que a Matemática é igualmente um dos seus “maiores gostos”. Trabalho e empenho são a fórmulaNa competição agora realizada em Amsterdão conquistaram medalhas de bronze os estudantes do 12º ano Raul Penaguião, da Escola Secundária Santa Maria, de Sintra, e João Santos, da Escola Secundária da Maia, com 17 e 18 anos, respectivamente. Luís Duarte, estudante do 10º ano na Escola Secundária de Alcains, ainda com 15 anos, arrebatou uma menção honrosa.Dos seis elementos que compunham a selecção portuguesa a estas olimpíadas, apenas dois não receberam qualquer distinção individual. “Isto é a prova de que, se houver trabalho e empenho, conseguimos ter os melhores resultados. Temos alunos excelentes, e isso é óptimo”, sublinhou Joana Teles, vice-presidente da Sociedade Portuguesa de Matemática e docente do Departamento de Matemática da Universidade de Coimbra, que há uma década, com o seu programa Delfos, prepara estes talentos matemáticos.Na sua perspectiva, o caminho é trabalhar com mais alunos, e mais precocemente, e nesse sentido as olimpíadas portuguesas de matemática já se alargaram aos 6º e 7º anos de escolaridade.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...