uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Polícia não puniu agente que dizia mal dos colegas e da instituição no Facebook

Falta de provas testemunhais obrigou a PSP de Santarém a arquivar o inquérito para procedimento disciplinar

Quando os comentários colocados pelo polícia na rede social na internet começaram a gerar um burburinho no comando de Santarém este apagou os textos, o que também dificultou a investigação.

Edição de 27.07.2011 | Sociedade
A PSP de Santarém não conseguiu punir o agente que colocou mensagens no Facebook a dizer mal da instituição e dos colegas por não lhe ter sido concedida uma folga quando ele queria. A Polícia tinha aberto um inquérito interno para procedimento disciplinar que acabou por ser arquivado por não se conseguir reunir provas suficientes. O agente em causa, que presta serviço na esquadra de investigação criminal do comando da cidade, continua a ter a página nessa rede social na Internet mas os conteúdos estão barrados a quem não faz parte do seu grupo de “amigos”.Relativamente à parte em que o agente fazia acusações mais graves ao dizer que ao seu lado deviam estar os melhores para servirem a sociedade e não para servirem-se em proveito próprio e que só não partia para a violência porque perdia a razão, pelas quais podia haver uma punição, o instrutor do processo não conseguiu encontrar testemunhas que tivessem confirmado que tinham lido os comentários. Um possível castigo disciplinar fracassou também pelo facto de entretanto, quando o assunto começou a ser comentado internamente, o agente ter apagado as mensagens que tinha no mural da sua página.O agente vai continuar a exercer as funções na PSP de Santarém no mesmo serviço. Os textos foram colocados pelo agente na rede social em Abril porque queria ter folga num dos feriados de Abril. Situação que lhe foi recusada porque já tinha sido dispensado do trabalho num feriado nesse mesmo mês. O polícia usou então o Facebook para manifestar a sua revolta, dizendo que os chefes estavam todos dispensados e que tinha vergonha da polícia portuguesa. Não se ficou por aí e dirigindo-se aos colegas escreveu que alguns são uma vergonha para a instituição e para a sociedade. Comentava ainda que na PSP de Santarém trabalha-se horas a mais. Segundo o regulamento disciplinar da Polícia de Segurança Pública os agentes devem tratar com respeito e consideração o público, os superiores hierárquicos e demais elementos da PSP. Diz ainda que não se deve praticar, no serviço ou fora dele, acções contrárias à ética, à deontologia funcional, ao brio ou ao decoro da corporação.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...