uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Alberto Santos Almeida diz que cura qualquer pessoa

Alberto Santos Almeida diz que cura qualquer pessoa

Alberto Santos Almeida diz que cura qualquer pessoa

Esta entrevista é para adultos com sólida formação intelectual. Não deve ser lida por pessoas facilmente impressionáveis. Alguns leitores poderão sorrir ou até rir à gargalhada. O entrevistado não se importa porque se sente seguro do que diz. O leite é um veneno. A doença um pecado. A quimioterapia é condenável.

Edição de 06.12.2011 | Identidade Profissional
Alberto Santos Almeida tem 83 anos. Conta que quando andava pelos 46 anos um médico deu-lhe pouco tempo de vida. Recusou o diagnóstico e afirma que se curou a si próprio com recurso a produtos naturais. Depois quis salvar mais pessoas e dedicou-se em exclusivo à medicina alternativa. Diz já ter lido mais de 10 mil livros e que nenhum deles era romance ou livro de poesia. Só livros relacionados com a sua actividade. Para quem se interessa por estatísticas diremos que dá uma média de leitura de um livro por dia durante trinta anos. Mais extraordinário se pensarmos que tem apenas a antiga 4ª classe. A viver em Fátima, Alberto dos Santos Almeida é natural do concelho de Aveiro. Mudou-se para a cidade santuário por questões profissionais. É por ali que passam quase todos os doentes de Portugal e do mundo católico. Todos procuram a cura através da fé e, em desespero de causa, quem pode rejeitar a ajuda de um “técnico de medicinas alternativas” como se auto-intitula. Aos nove anos, depois de concluir o ensino básico trabalhou na agricultura. Mais tarde interessou-se por assuntos de electricidade quando a electricidade era ainda uma criança e chegou a fazer instalações eléctricas. “Também arranjava rádios”, conta. “Sempre fui doente”, refere. “Sofria muito com o reumatismo”, recorda. A narrativa ganha contornos dramáticos. “Aos 46 anos um médico deu-me pouco tempo de vida. Chegado a casa após a consulta, de forma quase casual, pensei tratar-me através das urtigas. Curei-me comendo apenas sopa de urtigas durante 45 dias. Toda a gente pensava que eu ia morrer e eu fiquei bom. As pessoas começaram a pedir-me ajuda”.Renasceu para a vida através do milagre curativo das urtigas. Nem a igreja nem a medicina reconheceram o fenómeno curativo das plantas que picam e provocam alergias. Gente de pouca fé e de menos bestunto ainda. Alberto dos Santos Almeida fez das medicinas alternativas o seu santuário e nunca mais de lá saiu. Deitou as instalações eléctricas e os rádios avariados às urtigas e sintonizou-se noutra onda. Tornou-se “técnico” de curas. Sabe que é desacreditado por muitos. Mesmo por ex-clientes. Mas nada que o preocupe. Afirma que trabalhou um mês no Instituto Paracelso e que esse mês lhe valeu pelos anos todos de uma faculdade de medicina com internato especialização e tudo. Vendeu produtos do Instituto e refere uma posterior passagem pelas ervanárias do norte do país, onde se manteve durante 15 anos em complexos processos de cura. Com toda a naturalidade conta já que lhe apareceram pela frente todo o tipo de doentes. Muitos já em estado terminal. Alguns a quem os médicos já desenganaram e condenaram à morte. Nada que aflija Alberto dos Santos Almeida. A resposta para todos é sempre a mesma. “Consigo-os curar desde que sigam o tratamento que lhes prescrevo e mantenham a fé na cura. As pessoas mais difíceis de tratar são aquelas que só acreditam na medicina e nos fármacos”, declara do alto da sua cátedra.A meio da conversa com O MIRANTE faz uma breve incursão pelo divino. “A doença é um pecado. O corpo não é nosso, foi Deus que no-lo deu. Se não o tratamos bem é um pecado”. Alberto Santos Almeida afirma que já teve doentes cancerosos e os únicos que não se curaram foram os que não acreditaram na possibilidade da cura. Por vezes passa a noite de serviço, ao telefone, dado instruções aos pacientes de como devem agir. “A quimioterapia é das piores coisas que se pode fazer a um doente. Deus está no subconsciente e é ele que manda. É do subconsciente que deve partir a cura”, sentencia. Para ele os nossos males têm origem naquilo que comemos. Dá o exemplo do leite que compara a um veneno. “Em cada 100 pessoas que estão no hospital, 40 a 60 estão por causa do leite. Quando me aparece um doente em cadeira de rodas, verifico que quase sempre se trata de uma pessoa que como muitos produtos lácteos”.A família não o compreende. Os médicos também não. Muitas pessoas não acreditam nele mas Alberto Santos Almeida não desiste. Proclama que desde que começou a curar ajudou uma média de cinco pessoas por dia. Basta fazer as contas, como diria o ex-Primeiro Ministro António Guterres. Qualquer coisa como 67.500 sofredores. Diz ter a consciência tranquila e refere que nunca pensou em desistir do caminho que escolheu nas medicinas alternativas. “Pessoas com pensamentos negativos não conseguem nada”, afirma.
Alberto Santos Almeida diz que cura qualquer pessoa

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...