uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
A contabilista que se tornou empresária para ajudar o marido

A contabilista que se tornou empresária para ajudar o marido

Odete Matreno deixou emprego e dirige duas pastelarias em Santarém

A empresária nota que os clientes estão a alterar os seus hábitos e a cortar nos pequenos-almoços e lanches na pastelaria.

Edição de 14.12.2011 | Identidade Profissional
Odete Matreno era contabilista numa empresa do ramo automóvel em Benavente quando há cerca de dois anos a sua vida profissional deu uma reviravolta. O negócio de limpezas do marido, Carlos Bento, já tinha visto melhores dias quando um amigo lhe propôs ficar com uma pastelaria em Santarém. Homem de desafios, Carlos Bento aceitou a proposta e em 2009 abriu a pastelaria Panóplia dos Sonhos, em São Domingos, Santarém.A experiência correu bem e há um ano abriram a segunda pastelaria, desta feita na Avenida Madre Andaluz, também na cidade escalabitana. Esta segunda aposta trouxe um volume de trabalho maior a que Carlos Bento não conseguiu dar resposta sozinho. A ideia inicial era ser apenas o gerente mas com a saída do padeiro o empresário decidiu aprender o ofício e é ele quem agora coze o pão que é vendido na pastelaria. Com o aumento de trabalho Odete Matreno decidiu que o melhor era ajudar o marido nos negócios. Uma decisão difícil mas da qual não se arrepende. “Não foi fácil deixar o meu emprego mas tenho noção que foi a decisão mais acertada. Adoro o contacto com o público”, explica a empresária.Com a vida profissional concentrada em Santarém, o casal decidiu deixar a vila de Marinhais, concelho de Salvaterra de Magos, onde residia há alguns anos e instalou-se em Santarém. Odete Matreno passa mais tempo na pastelaria da avenida Madre Andaluz mas está sempre atenta aos dois estabelecimentos.A pastelaria de São Domingos possui uma fábrica onde é cozido o pão. Diariamente saem para a rua cerca de 3500 bolas de várias qualidades: semente, mistura, integral, fibras, centeio e pão de milho. O mais procurado é o pão de mistura. Odete Matreno garante que o pão que confeccionam diariamente não tem aditivos e tentam fazê-lo o mais saudável possível. “Acho que é por isso que, felizmente, temos conseguido fidelizar tantos clientes. O pão sem aditivos fica mais saboroso e as pessoas percebem a diferença”, sublinha.Os bolos são caseiros embora não sejam feitos na sua fábrica, mas o objectivo é, em breve, fabricarem os próprios bolos. Vendem todo o tipo de pastelaria. O pastel de nata e o pampilho são os que mais vendem. Diariamente saem cerca de centena e meia de bolos. Os croissants também têm muita procura. A segunda pastelaria surgiu pela necessidade de dar “trabalho” à fábrica que construíram em São Domingos que, naquela altura, produzia pouco.Agora que o Natal se aproxima a passos largos, a Panóplia dos Sonhos já está a confeccionar e vender sonhos, velhoses, bolo-rei, bolo-rainha. Os tradicionais doces natalícios estão à venda diariamente, mas se os clientes quiserem também podem encomendar. Tem mais clientes durante a semana ou ao fim-de-semana? “Tenho mais clientes ao início do mês”, confessa, antes de soltar um sorriso bem-disposto.Odete Matreno nota que os clientes estão a alterar os seus hábitos e a cortar nos pequenos-almoços e lanches na pastelaria. Agora optam por comprar pão e tomar o pequeno-almoço e lanche em casa e voltam apenas para tomar café. “Acho que o problema não é a falta de dinheiro. Sinto que as pessoas têm medo dos tempos que se aproximar e têm receio de precisar do dinheiro por isso começam a evitar certos gastos”, afirma durante a entrevista a O MIRANTE que decorreu na pastelaria mais recente.Apesar da nova profissão obrigar a horários mais complicados, a família consegue estar junta todos os dias. A hora de almoço é sagrada e fazem a refeição em conjunto. Como Carlos Bento coze o pão entre as cinco da tarde e a meia-noite (se tiver alguém a ajudá-lo consegue despachar-se mais cedo) sempre conseguem estar em família.As duas pastelarias dão emprego a sete funcionários que se vão revezando uma vez que os estabelecimentos estão abertos sete dias por semana - das 06h30 às 21h00 em São Domingos e das 07h00 às 22h00 na pastelaria mais recente. Muito trabalho, dedicação e gostar daquilo que fazem é, para Odete Matreno, o segredo do sucesso para o negócio ir de vento em popa.
A contabilista que se tornou empresária para ajudar o marido

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...