uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Mau cheiro de lamas de estações de tratamento de águas residuais invadiu a Fajarda

Edição de 14.12.2011 | Sociedade
Desde há cerca de um mês que a freguesia da Fajarda, Coruche, foi invadida por um cheiro pestilento transportado pelo vento desde um terreno privado onde têm sido despejadas lamas de estações de tratamento de águas residuais (ETAR) da Grande Lisboa. O cheiro tornou-se insuportável para quem mora mais perto, especialmente quando grandes camiões cisterna da empresa que presta esse serviço chegam para descarregar a matéria num terreno junto ao depósito da água. A área possui dezenas de habitações num raio de 200 metros e ninguém escapa quando o vento está a favor. Isilda Claro trata da sogra numa casa próxima da entrada do terreno, de onde o local de despejo não é visível. “Na segunda-feira de manhã, quando eram 07h30, era impossível estar aqui de janelas abertas. Houve dias em que passaram aqui 10 e 12 camiões. O cheiro invade tudo, até mesmo a Fajarda Norte”, comenta à reportagem. João Maia, proprietário do “Aroma de Café”, estabelecimento situado do lado contrário da EN 114-3, que liga Coruche a Salvaterra de Magos, lembra que não só o cheiro é incómodo como os camiões deixam detritos na estrada que os automobilistas da terra “levam” nas rodas para as suas garagens.Marina Neves diz que é impossível conviver com o cheiro que se entranha na roupa que se estende, nos alimentos e em toda a casa. “GNR, Câmara de Coruche e Saúde Pública têm conhecimento da situação e nada fazem”, alertava em email dirigido a O MIRANTE.O presidente da Junta da Fajarda, Ilídio Serrador (CDU), diz já ter enviado ofício à câmara a dar conta da situação. Do lado da Câmara de Coruche, o vice-presidente Francisco Oliveira (PS) esclarece que face aos dados conhecidos a câmara já colocou em acção os serviços de fiscalização que estão a investigar a proveniência das lamas, se foi licenciado o procedimento junto da câmara e se aquela matéria foi certificada, não possuindo metais pesados.O MIRANTE contactou a empresa Terra Fértil - Gestão e Valorização de Resíduos - identificada por populares, como estando a transportar as lamas para o terreno - mas não obteve os esclarecimentos solicitados até ao fecho desta edição.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...