uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Movimento popular da Póvoa de Isenta contra valor da taxa de ligação à rede de esgotos

Movimento popular da Póvoa de Isenta contra valor da taxa de ligação à rede de esgotos

Águas de Santarém cobra 618 euros pela ligação das moradias à rede de saneamento, o que é considerado um exagero. A empresa municipal diz que não tem possibilidades de reduzir o valor.

Edição de 21.12.2011 | Sociedade
Um auto-intitulado Movimento de Cidadãos da Póvoa da Isenta contesta o preço (618 euros) que está a ser cobrado pela empresa municipal Águas de Santarém aos clientes pela ligação das suas moradias à rede de saneamento básico recentemente implantada naquela freguesia e propôs à empresa e à Câmara de Santarém a cobrança de uma taxa de 250 euros - valor médio do que é praticado nos concelhos limítrofes, segundo alegam - a pagar em 12 meses. “Para as famílias em dificuldades económicas, este valor poderia ser distribuído por 60 meses”, sugerem ainda.Em comunicado, o movimento informa que essa proposta já foi encaminhada para a Águas de Santarém e para a câmara em Outubro, mas até à data não receberam qualquer resposta por parte dessas entidades, com quem pretendem “negociar um acordo” e assim “encontrar alternativas que viabilizem a plena utilização da rede de saneamento básico”. Porque a população mostra-se renitente a fazer as ligações de esgotos com as taxas praticadas.A directora geral da Águas de Santarém, Marina Ladeiras, disse ao nosso jornal que “infelizmente” a empresa municipal não tem condições para reduzir o valor da taxa de ligação. “Era bom que fosse possível, mas as obras estão a ser feitas e têm de ser pagas”, disse a responsável, acrescentando que já está a ser preparada uma resposta ao movimento a dar conta dessa situação.A contestação popular relativamente ao valor da taxa, que já se verificou noutras freguesias como a da Póvoa de Santarém, levou há uns meses o presidente da Câmara de Santarém e do conselho de administração da Águas de Santarém, Francisco Moita Flores, a ameaçar aplicar coimas a quem não se ligar à rede de esgotos, sublinhando que quem quiser pode recorrer ao pagamento faseado.Já o movimento diz que caso a câmara e a Águas de Santarém persistam em não dar resposta à sua proposta isso será considerado “uma pura humilhação para a população que com equidade e justiça pretende encontrar uma solução para o problema instalado”. E reforçam: “Continuamos com toda a firmeza a declarar que a verba de 618 euros para ligação ao ramal é uma imoralidade”. Contactado por O MIRANTE, o presidente da Junta de Freguesia da Póvoa da Isenta, Francisco Patrício (PS), diz que de uma forma geral está de acordo com as reivindicações da população e acrescenta que já manifestou essa posição à directora geral da Águas de Santarém, sublinhando que na sua freguesia há muitas pessoas a passar dificuldades.
Movimento popular da Póvoa de Isenta contra valor da taxa de ligação à rede de esgotos

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...