uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Três empresas municipais de Santarém vão fundir-se numa

Scalabisport, CUL.TUR e STR-URBHIS vão dar lugar à “Viver Santarém”, que contará com apenas um administrador remunerado.

Edição de 23.05.2012 | Política
A Câmara Municipal de Santarém, de maioria PSD; aprovou segunda-feira a fusão de três empresas municipais em apenas uma, que passará a gerir as áreas do Desporto, da Cultura e da Reabilitação Urbana. Para os vereadores do PS, que se abstiveram, tratou-se da correcção do erro que constituiu, sobretudo, a criação da empresa municipal CUL.TUR em Junho de 2010, na mesma altura em que foi ainda criada a STR-URBHIS vocacionada para a reabilitação urbana, e que se vão juntar agora à Scalabisport formando a empresa municipal “Viver Santarém”.À margem do processo fica a empresa municipal Águas de Santarém, responsável pela gestão das redes de abastecimento de água e de saneamento básico, cujo capital a câmara quer abrir a privados.António Valente, o vereador que preside às empresas municipais STR-URBHIS e CUL.TUR, sublinhou que a fusão, obedecendo à reorganização do sector empresarial municipal, vai permitir uma “economia de escala”, desde logo na redução do número de administradores, que passarão a ser cinco, mas apenas um remunerado. “Passamos a ter apenas um conselho de administração, um serviço de contabilidade e administrativo e uma assessoria jurídica”, afirmou Valente, assegurando que “a redução de custos não passa pela dispensa de funcionários”.Os dois vereadores socialistas questionaram o elevado número de elementos do conselho de administração (cinco), já que, apesar de apenas o administrador com funções executivas ser remunerado, haverá lugar a pagamento de senhas de presença. Estamos quase perante uma segunda câmara”, referiu Ludgero Mendes, considerando que essas empresas acabam por esvaziar a esfera de competências do executivo. Os socialistas questionaram ainda a existência de um conselho consultivo com oito membros, para os quais estão previstas “subvenções de presença e ajudas de custo”.António Valente frisou que o número de elementos tanto do conselho de administração como do conselho consultivo procura responder à “abrangência” que a nova empresa passará a abarcar, adiantando que haverá preocupação de incluir pessoas das áreas do Desporto, da Cultura e da Reabilitação Urbana.Ludgero Mendes criticou a “panóplia” de áreas, sem relação entre si, abrangidas pela nova empresa, agora denominada “Viver Santarém”, receando um “esvaziamento” da intervenção directa do executivo municipal na delineação de estratégias. O documento terá ainda de ser submetido à Assembleia Municipal, seguindo-se um período de discussão pública de 30 dias.Moita ausente de fériasRecorde-se que a empresa municipal Scalabisport, que gere os equipamentos desportivos municipais, foi criada durante a gestão do socialista Rui Barreiro, enquanto as empresas CUL.TUR e STR-URBHIS foram criadas oficialmente em Junho de 2010 por iniciativa do presidente Francisco Moita Flores (PSD), que não esteve presente na reunião de câmara por se encontrar de férias.Ex-vereador do PSD manifesta-se contraNo final da reunião, na parte destinada à intervenção do público, Carlos Rodrigues, um militante do PSD que já foi vereador na Câmara de Santarém, pediu a palavra para criticar a decisão tomada, que considerou “inoportuna” por não ficar demonstrado que a nova empresa municipal tem viabilidade e por se adivinharem mexidas em breve na estrutura de liderança da autarquia, com a saída anunciada de Moita Flores.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...