uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Câmara de Torres Novas põe à venda antigas escolas primárias

Câmara de Torres Novas põe à venda antigas escolas primárias

Vereador da CDU critica medida e diz que a autarquia devia estudar a possibilidade de aproveitamento pelas comunidades locais desses equipamentos e dinamizar a sua utilização pública.

Edição de 16.01.2013 | Sociedade
Os edifícios de sete escolas primárias e de um jardim de infância desactivados no concelho de Torres Novas vão ser colocados à venda em hasta pública pelo município, que assim espera arrecadar alguns milhares de euros para ajudar a enfrentar as dificuldades de tesouraria. Em causa estão as antigas escolas de: Pafarrão (32.385 euros é o valor proposto para venda); Barroca (27.035 euros); Chancelaria (103.357 euros); Chancelaria (68.310 euros); Parceiros de São João (55.729 euros); Alcorochel - Rua Professor Casola (95.615 euros); Alcorochel - Rua da Igreja (68.796 euros); e o jardim de infância da Barroca (4.370 euros).A decisão foi aprovada pela maioria socialista com a abstenção do vereador do PSD e o voto contra do vereador da CDU. Na sua declaração de voto, Carlos Tomé (CDU) criticou essa tentativa de alienação de património dizendo que a proposta de venda de infraestruturas escolares “é um erro grave” do município.Segundo Carlos Tomé, esses equipamentos “merecem beneficiar de obras de manutenção, devendo a câmara proceder à sua preservação” acrescentando que os edifícios devem manter-se na propriedade municipal e devem ser aproveitados para uso público. “Vender estes edifícios é atirar fora a nossa história, desperdiçando um património público e omitindo o dever do município na sua manutenção, preservação e aproveitamento para fins públicos”.O vereador da CDU adianta que ao pretender vender este património, “a câmara está a alienar a coisa pública e a esquecer os seus deveres enquanto responsável pela gestão do bem comum”. Na sua opinião, “ao invés de querer vender estes edifícios, a câmara devia estudar a possibilidade de aproveitamento pelas comunidades locais destes equipamentos e dinamizar a sua utilização pública”.Na mesma hasta pública vão ser ainda colocados à venda outros imóveis, alguns deles já repetentes, como três parcelas de terreno para construção em Casas Altas (com valores entre os 23.560 euros e os 37.550 euros), um antigo edifício no Largo General Humberto Delgado em Torres Novas, por 73.970 euros e ainda um contentor pré-fabricado por 5 mil euros.
Câmara de Torres Novas põe à venda antigas escolas primárias

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...