uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Ricardo Silva é um exemplo de que nos distritais também há jovens goleadores

O jovem jogador é juvenil do primeiro ano no Sport Lisboa e Cartaxo e em 172 jogos efectuados marcou 181 golos

Ricardo Silva tem 15 anos, é jogador do Sport Lisboa e Cartaxo desde os oito anos e é um dos melhores marcadores de golos do distrital. Nesta época chegou a marcar 11 golos num jogo. A diferença de valor das equipas é grande, mas as qualidades do jovem também são enormes.

Edição de 23.01.2013 | Desporto
O jovem Ricardo Silva começou a jogar futebol nas escolas do Sport Lisboa e Cartaxo aos oito anos e logo começou a dar nas vistas pelo seu poder de concretização. Não ficou em branco em nenhum jogo disputado nesse escalão. A subida aos outros escalões, actualmente é juvenil de primeiro ano, não o fez perder faculdades goleadoras e assim servir de exemplo aos ainda mais jovens jogadores do clube.O jogador gosta de jogar no centro do terreno, “bem dentro da área”, mas actua também na ala esquerda. “Jogo com vontade onde o treinador manda”, disse acrescentando que marcar golos é espectacular. “Mas nunca esqueço que só marco assim tantos golos porque tenho uma equipa a jogar comigo”.Modesto, Ricardo Silva confessa não saber bem como é que marca assim tantos golos. Não acontece marcar só às equipas mais fracas. “Gosto de me movimentar na área, procuro sempre a melhor posição e na hora de rematar não hesito. Isso e o facto dos meus companheiros de equipa jogarem muito comigo é meio caminho andado para marcar golos”.Ao longo dos anos em que joga no Sport Lisboa e Cartaxo os treinadores têm sabido aproveitar as suas capacidades. “Os treinadores com quem tenho trabalhado tem vindo a corrigir algumas coisas que não estavam bem como eles queriam. Têm sido muito importantes para a minha carreira”, diz agradecido Ricardo Silva.Fã confesso de Lionel Messi, garante que a passagem do futebol de sete para o futebol de onze não foi difícil. “No Sport Lisboa e Cartaxo ainda nos infantis começamos a treinar futebol de onze, por isso quando chegamos aos iniciados vamos preparados para o embate”, disse o jogador.Ricardo Silva é natural e vive na Ereira, são 16 quilómetros que tem que fazer para ir para os treinos e jogos. “Só é possível treinar três vezes por semana e depois jogar ao fim-de-semana, porque tenho o apoio dos meus pais, são eles que levam e trazem de casa para o treino e do treino para casa. Estou-lhes agradecido por isso”, disse o jovem. O pai e a mãe confessam que não ligam nada ao futebol mas apoiam o filho porque sabem que ele adora jogar futebol e assim o veêm feliz. O marcar tantos golos fez com que Ricardo Silva desse nas vistas e já foi convidado pelo Sporting para ir treinar a Alcochete. “Já lá fui três vezes, e gostava de lá ficar o meu sonho é ser jogador de futebol, mas isso não é uma tarefa fácil. Teria que ir treinar a Alcochete três vezes por semana e o meu pai não tem possibilidades para fazer esse trajecto tantas vezes. Vou continuar a trabalhar para se for novamente chamado poder mostrar o meu valor e acabar por ficar lá na Academia”, disse.Estudos é que não têm ido muito bemNos estudos Ricardo Silva não navega no melhor dos mundos. Falhou no nono ano e ficou para trás, garante que se vai empenhar ainda mais porque quer recuperar. “Nunca fui um grande estudante, mas deu sempre para passar, o ano passado as coisas correram pior e não consegui passar. Fiquei desiludido por ter dado essa desilusão aos meus pais, que sempre me têm apoiado”, afirmou.O jovem garante que o futebol nunca interferiu com os estudos. “Tenho algumas dificuldades, preciso de me concentrar mais nas aulas e depois estudar um pouco mais, não posso desiludir mais a minha família nesse campo”, garantiu Ricardo Silva, um jovem jogador que rivaliza com os melhores pontas de lança do futebol português, em 172 jogos efectuados, marcou 182 golos, uma média superior a um golo por jogo.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...