uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
A nova vida dos escuteiros de Tramagal

A nova vida dos escuteiros de Tramagal

Nova sede proporciona melhores condições ao agrupamento, que está a comemorar o seu 45º aniversário e é frequentado por cerca de 50 elementos. O recrutamento de jovens para a causa escutista já teve melhores dias.

Edição de 02.10.2013 | Sociedade
A antiga escola primária da Penha, no Tramagal, concelho de Abrantes, ganhou uma nova vida e deu lugar à sede do Agrupamento de Escuteiros da vila. O Agrupamento 273, que este ano está a comemorar o seu 45º aniversário, disponibiliza agora melhores condições para os cerca de 50 jovens que o integram e para os novos elementos que pretendam juntar-se ao movimento. A partir desta semana estão abertas as inscrições para novos escuteiros e para dar a conhecer o espírito do escutismo serão efectuadas acções de captação junto das escolas.Nuno Oliveira, chefe do Agrupamento, e Pedro Rodrigues, chefe adjunto do Agrupamento e chefe da II secção (Exploradores), receberam O MIRANTE na nova sede, umas instalações cedidas em Novembro de 2012 através de um protocolo estabelecido com a Câmara Municipal de Abrantes, e revelaram que o novo espaço tem muito melhores condições para desenvolverem as suas actividades. “Esperamos com a nova sede ter uma visibilidade diferente e que contribua para conseguir captar mais jovens”, afirmou a O MIRANTE Nuno Oliveira, lamentando o facto de na actualidade ser mais difícil captar jovens para o escutismo, uma vez que existe uma panóplia de ofertas ocupacionais que acabam por levar a preferência dos jovens, nomeadamente as novas tecnologias. “Os adultos também fazem falta e é onde encontramos mais dificuldade”, completa Pedro Rodrigues.O edifício foi recuperado com a colaboração dos escuteiros, dirigentes e pais, estes últimos com um papel fulcral para o restauro do espaço. As salas dos dois andares foram adaptadas a cada secção, desde os lobitos, passando pelos exploradores e pioneiros, até aos caminheiros. No rés-do-chão há também uma sala de exposições, aberta ao público ao sábado, onde estão guardadas as memórias deste agrupamento, fundado em 1968 e que se mantém activo, sem interrupções, até à actualidade.O exterior é um dos elementos chave desta nova sede. Ideal para desenvolver as actividades regulares e até acampamentos. Para os dias de Inverno o espaço tem ainda um pátio coberto. Também não falta a cozinha e no futuro, os responsáveis pelo Agrupamento do Tramagal, esperam construir uns balneários, que lhes permitirá ter ainda melhores condições, principalmente para receberem grupos convidados que acampem no recinto.Escuteiro há 27 anosO chefe do Agrupamento do Tramagal é escuteiro há 27 anos e o percurso que já trilhou traz-lhe as boas memórias do espírito do escutismo e a vontade de continuar. “Motiva-me poder proporcionar aos jovens o contacto com a natureza, seguindo os ensinamentos de Baden Powell que permitem aos jovens crescerem como pessoas, homens e cidadãos desenvolvendo as suas competências físicas e intelectuais”, garantiu a O MIRANTE.Um espírito que começa a ser cultivado desde tenra idade. Rita Rodrigues, filha de Pedro, tem 14 anos, é escuteira desde os 6 anos. Já pensa em chegar a dirigente, mas por agora ainda nos Lobitos, agrada-lhe os acampamentos e as actividades, pois é uma forma de criar laços de união, conhecer pessoas novas e ter vivências que irão perdurar para a vida. A família de Pedro rendeu-se por completo aos escuteiros e para além de Rita, também a filha mais velha, Catarina Rodrigues, 19 anos, integra o agrupamento desde os 6 anos. Este ano vai entrar na universidade, mas espera conseguir conciliar e ao fim-de-semana dedicar-se à organização, pois não quer desistir da sua caminhada como escuteira. “Na minha altura o escutismo era diferente, não tínhamos tanta coisa e era uma forma de sairmos da aldeia e termos experiências diferentes”, diz Pedro Rodrigues, que iniciou a sua caminhada no escutismo em 1982 num agrupamento já extinto em Santa Margarida. Após uma temporada de interregno acabou por voltar ao activo em 2001. “O escutismo é quase como a tropa, vai-se lá e depois recorda-se o que se passou e aprendeu. Quem foi escuteiro é escuteiro para sempre”, completa.O Agrupamento de Escuteiros do Tramagal está apto a receber novos escuteiros e os interessados podem experimentar algumas actividades e conhecer um pouco do espírito escutista, para tal basta dirigirem-se à nova sede ao sábado a partir das 15h00.Seis agrupamentos de escuteiros em AbrantesO concelho de Abrantes conta com seis agrupamentos de escuteiros. Para além do Agrupamento de Escuteiros 273 do Tramagal, os princípios de Baden Powell são seguidos pelo Agrupamento de Escuteiros 193 de Mouriscas, Agrupamento 172 de Abrantes, Agrupamento 1093 de Chainça, Agrupamento de Escuteiros 697 de Rossio ao Sul do Tejo e pelo Agrupamento 1053 de Alferrarede.
A nova vida dos escuteiros de Tramagal

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...