uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Bombeiros de Vialonga não se precaveram da chuva e o quartel ficou inundado

Bombeiros de Vialonga não se precaveram da chuva e o quartel ficou inundado

Telhado que está em obras estava mal protegido e a água entrou em vários espaços

Os corredores, camaratas, bar e secretaria ficaram inundados mas não houve grandes estragos porque os bombeiros conseguiram a tempo proteger equipamentos com plásticos.

Edição de 02.10.2013 | Sociedade
O quartel dos bombeiros de Vialonga ficou inundado pelas chuvas que caíram sexta-feira, 27 de Setembro, porque o telhado não foi devidamente protegido. A cobertura está em obras e as lonas que existiam para evitar a entrada de água não eram suficientes. A chuva acabou por inundar as camaratas, o bar e secretaria e alguns corredores das instalações. As obras visam a substituição das chapas de zinco por telhas de cerâmica. O problema é quando começou a chover ainda não se tinha começado a colocar as telhas. Os bombeiros não se podem queixar de situação imprevista porque a protecção civil emitiu alertas de mau tempo com chuvas e rajadas de vento forte. Sem a cobertura as águas escorreram pelas paredes causando problemas ao funcionamento da corporação. Só depois os bombeiros começaram a colocar lonas e plásticos para tentar evitar a entrada de mais chuva no edifício. Não se registaram prejuízos porque os bombeiros conseguiram a tempo tapar os equipamentos com plásticos. Os trabalhos de substituição do telhado do quartel custam cerca de 37 mil euros, valor comparticipado em 55 por cento pela Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, ao abrigo do Programa de Apoio ao Movimento Associativo (PAMA). O restante valor é suportado pela corporação. Os trabalhos no edifício já duram há três semanas e segundo o vice-presidente da direcção, Fernando Fonseca, os trabalhos não vão parar para que o telhado esteja completamente colocado, no máximo, daqui a duas semanas. “Não estamos obcecados com o novo quartel mas que ele faz falta isso faz”, confessa. Fernando Fonseca diz a O MIRANTE que o objectivo das obras em curso é proporcionar melhores condições aos bombeiros e confessa que toda a gente foi apanhada desprevenida com as chuvas fortes. “Não pensámos que fosse chover tanto”, lamenta. O novo quartel dos bombeiros de Vialonga é uma promessa antiga dos vários executivos municipais mas nunca foi concretizado por falta de terrenos e verbas disponíveis. Já existe um projecto concluído mas a sua concretização está dependente de fundos comunitários que não se sabe quando poderão surgir.
Bombeiros de Vialonga não se precaveram da chuva e o quartel ficou inundado

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...