uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Técnico de fisioterapia do Cartaxo anda há mais de três décadas a formar atletas

Pedro Barbosa é um homem de três paixões, a família, a sua profissão e o atletismo

O atletismo é uma paixão que nasceu já lá vão mais de três décadas, e trouxe-lhe alguns êxitos. Pedro Barbosa formou e treinou vários atletas de renome, destacando-se entre eles o grande campeão Rui Silva. A fisioterapia é uma paixão de família, foi com o pai e a mãe que aprendeu grande parte daquilo que faz. Da família vem o apoio que o ajuda a continuar a fazer as três coisas com grande prazer.

Edição de 30.10.2013 | Desporto
Pedro Barbosa é técnico de fisioterapia com gabinete na Academia Cem por Cento, em Santarém e Cartaxo, foi ao trabalho dos pais que foi buscar a experiência no tratamento e recuperação física de pacientes. O pai fazia ginástica correctiva, toda a sua vida fez tratamentos de osteopatia, foi pioneiro na área do tratamento da coluna vertebral. A mãe era fisioterapeuta de renome. “É uma profissão de família, a minha esposa trabalha comigo e faz domicílios, o meu filho também já terminou o curso e está a estagiar no meu consultório”, afirmou.Mas a paixão pelo atletismo nasceu ainda antes de terminar o curso. “Aos 18 anos já era treinador de atletismo. Comecei como atleta mas uma lesão levou-me a abandonar as corridas e os saltos, mas não me tirou a paixão pela modalidade”, garante Pedro Barbosa.O treinador do Cartaxo garante que não consegue viver sem o atletismo. “Não consigo viver sem trabalhar na formação de atletas. Já são várias gerações que passaram pela minha formação. Hoje estou a treinar rapazes e raparigas, filhas de pais e mães que já foram meus atletas. É uma grande satisfação”, diz com mal disfarçado orgulho.Começou no Cartaxo e passou também por Santarém e Vila Chã de Ourique. O atletismo nunca lhe deu dinheiro a ganhar. “pelo contrário, gastei sempre muito do meu bolso. Houve alguns anos que recebi alguma coisa que dava para o gasóleo, agora na Associação Escola de Atletismo Rui Silva do Cartaxo, voltámos ao mesmo, trabalhamos por gosto e com a felicidade de ver 120 atletas a treinar com vontade de progredir”, afirmou convicto Pedro Barbosa.Desde que iniciou a sua actividade de treinador no GIDEC - Grupo de Intervenção Desportiva e Cultural de Cartaxo, Pedro Barbosa orgulha-se de terem passado pelas suas mãos vários atletas de renome, como é o caso do campioníssimo Rui Silva. “Fui treinador do Rui desde que começou no Estrela Ouriquense até à sua ida para o Sporting Clube de Portugal, nessa altura só não fui com ele porque tive que optar pela minha profissão de massagista”, refere.Pedro Barbosa já tinha sido um dos fundadores do GIDEC, mas o clube tinha outras modalidades que não eram compatíveis com o atletismo, e acabou por, em conjunto com os pais dos atletas, formar outra equipa no Cartaxo, que teve um grande desenvolvimento. A sua ligação ao atletismo teve sempre uma vertente social, nunca uma criança ou um jovem foi excluído por ser de famílias problemáticas ou de poucas posses. Daí a ter também treinado a pedido da professora Natália Leitão, em Alfange.“Tivemos nessa altura um excelente lote de atletas, nessa altura nem carro tinha, ia para os treinos de camioneta e pagava do meu bolso”. Passou ainda pelo Estrela Ouriquense e pelo União de Santarém. “Durante estes anos todos tive o orgulho e satisfação de ver os meus atletas serem campeões nacionais e distritais, quer individualmente que colectivamente”, disse Pedro Barbosa.Por todos estes clubes andaram sempre os atletas do Cartaxo, em Santarém o grupo integrava jovens do Lar das Raparigas e do Lar do Rapazes. “Cheguei a levar para provas quase centena e meia de atletas, foram anos de ouro, que tiveram o seu termo porque o atletismo não convive bem com o futebol num clube. Cheguei a prometer a mim próprio que nunca mais fazia atletismo num clube com futebol. Não consegui cumprir essa promessa, porque mais tarde voltei a passar pelo Estrela Ouriquense”, referiu o treinador.Acabou por ser no Ateneu Cartaxense que os jovens, que já treinava há vários anos, deram mais nas vistas. “Na altura foi onde encontrei mais apoio e melhor organização, e assim conseguimos vitórias em várias provas e campeonatos distritais e nacionais. Fomos campeões nacionais de juvenis em competição com os grandes clubes portugueses”, garantiu Pedro Barbosa.“O meu objectivo foi sempre de melhorar as condições dos atletas. Foi depois no Estrela Ouriquense que tive um grupo de jovens, que integrava o Rui Silva, de grande valor. Fomos campeões nacionais de corta mato de juvenis e alguns outros jovens foram medalhados em campeonatos nacionais de pista”, disse o técnico.Pedro Barbosa continua agora a desempenhar a sua paixão de treinador na Escola de Atletismo Rui Silva, do Cartaxo e continua na luta para formar atletas e homens e mulheres, trabalha com um bom grupo de jovens. “Treino em todas as especialidades, e a melhor atleta que tenho é a Sofia Duarte, que é sobretudo uma velocista, mas venceu o Campeonato Nacional de Provas Combinadas”, concluiu.Por todos os clubes por onde tem passado Pedro Barbosa tem sido sempre mais do que um treinador. “É verdade uso muito a minha profissão, ajudo na recuperação de lesões e também sou um pouco de psicólogo, uma área onde é preciso trabalhar muito e bem com os atletas”.Não é fácil conciliar a vida profissional, Pedro Barbosa exerce o seu trabalho de ginástica correctiva e osteopatia da coluna vertebral, todos os dias em Santarém e no Cartaxo, depois vem o atletismo, mesmo assim, Pedro Barbosa garante que teve sempre tempo para a família. “De quem sempre tive todo o apoio”, concluiu.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...