uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Bebé não é atendido no Centro de Saúde Póvoa de Santa Iria por passarem dois minutos da hora de fecho

Edição de 06.11.2013 | O Mirante dos Leitores
Acho bem. Se estava na hora da saída, fossem logo para o hospital. Eu, se o meu filho estivesse assim, nem arriscava ir ao centro de saúde. Ia directo para o hospital porque os horários são para se cumprir. Os médicos também têm a sua vida particular e se se abre uma excepção para 2 minutos então também tem que se abrir para 30 minutos, uma hora.... João MagalhãesQue vergonha....de certeza que estes pais não são “conhecidos” de um amigo do amigo....quantas vezes esperamos uma hora ou mais, após a hora de marcação, para sermos atendidos e esperamos de cara alegre.....Esse “profissional” dá uma imagem super positiva dos profissionais de saúde!!!!! Felizmente que estas ervas daninhas são a excepção à regra.Otília Monteiro Isto lido assim a seco, sem qualquer enquadramento nem outra informação, soa a falta de humanidade e compreensão. Um bebé é um bebé e um Centro de Saúde não é uma loja de venda de legumes...e mesmo aí às vezes até se dá oportunidade para comprar aquele quilo de cebolas que está em falta. É fácil eu estar a falar sem saber da missa toda. Por exemplo: o médico em questão faz isto regularmente ou cansou-se de trabalhar sempre para além da hora, sem receber, só porque os doentes optam por chegar em cima do fecho? Marta Flores Infelizmente este não é nem será o único caso. No início deste ano também me dirigi ao serviço de “urgências” do Centro de Saúde de Azambuja com a minha filha, com o que pressupus ser uma crise de ansiedade. Eram 20h45 mas como os serviços encerravam às 21 horas a funcionária do atendimento não queria fazer a ficha. Depois de regatear e pedir o livro de reclamações o médico apareceu e prontificou-se a atender a minha filha, apenas me disse que teria que esperar que ele atendesse duas pessoas que estavam à nossa frente e assim aconteceu. Neste caso não foi preciosismo do médico, mas da funcionária. Enfim, é o que temos... Maria Eva Pires

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...