uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Rui Figueiredo

Militar, 40 anos, Chamusca

“ Infelizmente, a austeridade toca mais aos pobres do que aos ricos. Vamos ver se os problemas de Portugal se resolvem desta maneira. Gostava de ver o país numa posição muito melhor para que o futuro dos meus filhos seja mais próspero”“Vivi numa zona de Coimbra onde havia muitos pombos, por isso considero que são efectivamente uma praga para os monumentos. Contudo existe forma de prevenir que estes deixem os seus excrementos em monumentos de valor histórico e artístico. Isso foi feito em determinada altura e durante muitos anos deixou de ser uma praga”“Já pensei em emigrar. Isso não se concretizou porque entretanto segui a minha vida em Portugal. Gosto da minha terra e do meu país. Quero que os meus filhos sejam aqui criados. Vou ter o prazer de viver cá e tentar contribuir para o melhor funcionamento da comunidade e sociedade”

Edição de 13.11.2013 | Agora falo eu
Os portugueses aguentam mais austeridade em 2014?Não têm outro remédio se não aguentar. Infelizmente, a austeridade toca mais aos pobres do que aos ricos. Vamos ver se os problemas de Portugal se resolvem desta maneira. Gostava de ver o país numa posição muito melhor para que o futuro dos meus filhos seja mais próspero. Já ponderou emigrar? Já pensei em emigrar. Isso não se concretizou porque entretanto segui a minha vida em Portugal. Gosto da minha terra e do meu país. Quero que os meus filhos sejam aqui criados. Vou ter o prazer de viver cá e tentar contribuir para o melhor funcionamento da comunidade e sociedade.Consulta o site da Câmara Municipal da Chamusca ou lê os “informas”? Visito o site da autarquia e leio o “informa” com alguma regularidade. Gosto de saber algumas coisas que se passam na autarquia e vejo também as dificuldades que tem em governar um concelho tão grande e disperso. Aliás, uso muito a Internet para estar informado. Não dispenso diariamente uma passagem pelo site de O MIRANTE.Nas férias aproveita para ler livros?Infelizmente, os livros não são o meu grande passatempo. Gosto muito de ler jornais e temas que realmente nos acrescentem alguma coisa e nos tornem mais conscientes daquilo que somos e da realidade em que vivemos. Concorda com o casamento entre pessoas do mesmo sexo? Nem concordo nem discordo. Acho que as pessoas devem ter liberdade de escolha e que a sociedade as respeite. Por serem diferentes, as pessoas podem seguir as suas convicções e as suas vidas sem que outra qualquer pessoa as possa criticar. Os pombos são uma praga nos centros históricos ou um mal necessário? Vivi numa zona de Coimbra onde havia muitos pombos, por isso considero que são efectivamente uma praga para os monumentos. Contudo existe forma de prevenir que estes deixem os seus excrementos em monumentos de valor histórico e artístico. Isso foi feito em determinada altura e durante muitos anos deixou de ser uma praga.Já fez voluntariado em alguma associação? Já fiz e ainda faço como é o caso aqui do Chamusca Basket, onde treino as jovens voluntariamente. O associativismo é uma das formas de estarmos presentes na sociedade e de podermos ajudá-la a tomar um rumo melhor. Pretendo continuar a ter um papel activo na vida social e cultural da cidade e do distrito.Ir ao cinema é um luxo?Para uns é uma banalidade, para outros é um luxo. Para mim é um luxo. Gosto muito de cinema, mas numa casa de espectáculos, e para ir com a família, é demasiado dispendioso. Por isso há muita gente que acaba por ficar em casa a ver televisão, o que não é de todo a mesma coisa.Já alguma vez participou numa peça de teatro amador?Sim. Confesso que não tenho grande jeito para representar, contudo gosto de desafios que me façam crescer e evoluir. Ajudei sobretudo nos bastidores a organizar e colocar em acção os adereços para a peça que ia ser representada por jovens artistas aqui da Chamusca.Fala da Chamusca como se fosse a sua terra natal?É verdade. Adoro viver na Chamusca. Aqui temos qualidade de vida e sossego que não encontramos em muito lugares, principalmente noutros sítios onde vivi. Em Lisboa, onde vivi dois anos, foi um sacrifício. Aqui na Chamusca vim encontrar o lugar ideal para criar os meus filhos.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...