uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Novo campo para o Alhandra Sporting Club depende dos credores da Cimianto

Câmara diz que não vai cruzar os braços ao problema mas não promete soluções para breve
Edição de 20.11.2013 | Desporto
Um novo campo de futebol para o Alhandra Sporting Club (ASC) está dependente da vontade dos credores da empresa Cimianto que está insolvente. Os atletas do clube treinam e jogam num espaço degradado, sem condições e que fica inundado nos dias de chuva. Para resolver a situação é preciso comprar uma parcela de terreno da empresa. Apesar das dificuldades o presidente da Câmara de Vila Franca, Alberto Mesquita (PS), diz que não vai cruzar os braços mas admite que as soluções não são fáceis nem serão rápidas. “Seria irresponsável da minha parte dizer que vamos resolver o problema amanhã. Só com permissão dos credores da Cimianto é que poderemos evoluir com este processo. A ideia é destacar o terreno da empresa que estava previsto para fazer o campo de futebol para que a câmara o possa comprar. Mas essa é uma matéria que ainda estamos a avaliar do ponto de vista jurídico”, explica Alberto Mesquita que garante estar a acompanhar a situação em conjunto com o clube.Há cerca de uma década o município apresentou ao Alhandra um plano para desactivar o campo da hortinha, que passava pela construção de um novo campo noutro terreno da freguesia. Anos depois, o município propôs que o campo fosse construído ao lado das piscinas do clube, em terrenos cedidos pela empresa Cimianto, com 450 mil euros oferecidos pela empresa Cimpor para que a obra se concretizasse. A Cimianto entretanto abriu falência. A falta de outros terrenos na freguesia tem também adiado uma solução. O campo, tal como O MIRANTE escreveu na última edição, transforma-se numa piscina sempre que chove com mais intensidade. O que há quatro semanas impediu a prática desportiva a cerca de 150 jovens atletas no campo que tem 91 anos. Os dirigentes do clube apelaram à câmara municipal que faça algo que permita minorar os efeitos das inundações. Só no último ano 19 crianças sofreram entorses devido ao estado do piso.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...