uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Almeirim mantém impostos municipais apesar das críticas da oposição

Edição de 27.11.2013 | Política
O município de Almeirim vai aplicar em 2014 os mesmos valores de taxas deste ano e que foram aprovados na assembleia municipal de sexta-feira à noite, 22 de Novembro. No próximo anos a câmara vai cobrar 0,4% de Imposto Municipal de Imóveis (IMI), 5% da participação variável do IRS e 1,5% de Derrama, imposto aplicável sobre o lucro tributável das empresas. As firmas com facturação até 150 mil euros só pagam um por cento.A oposição voltou a pedir que numa altura de crise se baixem os impostos municipais, com o PSD a continuar a batalhar que não se cobre derrama no concelho por entender que isso pode ser um factor de captação de empresas. A CDU considerou que numa altura de dificuldades estas taxas vão agravar ainda mais a situação em que se encontram muitas famílias. Mas a autarquia justifica que abdicar destes impostos põe em causa a sua situação financeira. O presidente do município, Pedro Ribeiro (PS), em relação à derrama considerou que não é este imposto que vai afastar empresas de se instalarem no concelho. O autarca até se socorreu de explicações dadas pelo seu antecessor, Sousa Gomes, com quem se incompatibilizou, e que agora é eleito na assembleia. Dizendo que as empresas quando contactam a câmara para se instalarem em Almeirim perguntam é pelas condições de saúde, pelas vias de comunicação, pelas condições das escolas... Pedro Ribeiro, salientou ainda que nesta altura, com cortes do Governo nas transferências para as autarquias, não é possível baixar os impostos municipais. E realçou que “só numas contas por alto” não cobrar derrama e colocar os outros impostos no mínimo a câmara perderia 1,6 milhões de euros de receitas.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...