uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Acampamento de ciganos na zona industrial de Almeirim começou a ser desmantelado

Acampamento de ciganos na zona industrial de Almeirim começou a ser desmantelado

Donos de duas barracas deitaram-nas abaixo antes das máquinas da câmara avançarem
Edição de 18.12.2013 | Sociedade
A Câmara de Almeirim começou a fazer o desmantelamento do acampamento junto à zona industrial. Quando as máquinas e os funcionários da autarquia chegaram ao local na quinta-feira, dia 12, as duas primeiras barracas já estavam desocupadas e deitadas ao chão. Com o apoio da GNR os trabalhadores municipais limitaram-se a retirar os materiais do local. As duas famílias de etnia cigana que viviam nestas barracas alojaram-se em Fazendas de Almeirim e Tapada. No local ficam ainda 15 famílias que também vão ter de demolir as barracas senão a autarquia avança com máquinas para as destruir. António Seabra, de 47 anos, confirma que desmontou a barraca onde vivia com a mulher e sete filhos. Todo o material, excepto uma arca de madeira, foi destruído e amontoado pela retroescavadora. Seabra diz que vive sem rendimentos e apenas com o abono de família atribuído a alguns dos sete filhos. “Vivemos aqui há nove anos. Viemos para cá porque andávamos de um lado para o outro porque os donos dos terrenos não nos deixavam acampar”, explica.Enquanto a máquina amontoa o material deixado da barraca, as mulheres criticam a intransigência do presidente da câmara e da GNR. Maria da Conceição Casimiro vive na barraca do filho e garante que não tem condições. “Tenho quatro filhos na escola e mais dois que são doentes”, conta, acrescentando que o único rendimento que tem é dos abonos de família de 125 euros.Nas próximas semanas o presidente da câmara, Pedro Ribeiro, vai notificar as restantes famílias ciganas que ainda estão no espaço para desmontarem as barracas. Um processo que vai decorrer de forma gradual. Recorde-se que em Agosto, Pedro Ribeiro, que na altura era vice-presidente do município, deu 30 dias aos donos das barracas para demolirem todas as construções e abandonarem o terreno. O processo foi-se arrastando devido ao cumprimento de prazos legais. Na altura o autarca garantia a O MIRANTE que não permite a instalação de qualquer outro acampamento no concelho.Este acampamento está instalado em zona Reserva Agrícola Nacional e Reserva Ecológica Nacional, que não permite qualquer construção ou alteração do uso do solo. Pedro Ribeiro, em declarações a O MIRANTE, garantiu que está a agir no cumprimento das leis em vigor.
Acampamento de ciganos na zona industrial de Almeirim começou a ser desmantelado

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...