uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
“De Coruche para o Mundo”

“De Coruche para o Mundo”

DAI - Sociedade de Desenvolvimento Agro-Industrial - Galardão Empresa do Ano
Edição de 23.12.2013 | Galardão empresa do ano
A DAI- Sociedade de Desenvolvimento Agro-Industrial é uma moderna refinaria de açúcar, situada em Coruche. Produz cerca de 120 mil toneladas de açúcar por ano das quais 60 por cento são para o mercado interno sobretudo para fornecer industrias como as da pastelaria e refrigerantes. Também trabalha no retalho com pacotes para hipermercados e também tem marca própria. A empresa está associada ao maior refinador Espanhol e por via disso exporta para aquele país 40 por cento da produção. Em 2011 em plena crise do sector bancário a DAI ficou com dificuldades em financiar-se mas conseguiu crédito junto de um fornecedor de matéria-prima. E conseguiu dar a volta aos maus resultados do ano anterior conseguindo um resultado financeiro positivo de quatro milhões de euros. Anualmente a empresa tem um volume de negócios superior a 70 milhões de euros. A matéria-prima, que já vem pré-transformada para refinação, é importada de vários países. Chega a Portugal em grandes navios de 25 mil toneladas e depois é transportada em camiões para a fábrica. A empresa tem ao seu serviço cerca de 150 pessoas. A DAI foi fundada em 1993 e a sua actividade industrial iniciou-se quatro anos depois. Começou por produzir açúcar a partir de beterraba. Uma cultura que teve grande expansão na região sobretudo entre produtores de milho que aproveitavam a beterraba para fazer a rotação dos solos. Em 2006 com a decisão da Comissão Europeia de reduzir a quota de produção das empresas do sector a DAI teve que redefinir o futuro. Adaptou a unidade e passou a refinar exclusivamente açúcar de cana. Neste momento existe a perspectiva de voltar a trabalhar com beterraba. O presidente do conselho de administração, José Cabrita, diz que se tudo correr como esperado e se existirem ajudas do Estado à produção é possível retomar esta actividade em 2017. José Cabrita revela que se a perspectiva se concretizar a DAI pretende abrir o seu capital aos agricultores ou agrupamentos de produtores para que exista uma relação estreita entre quem cultiva e quem transforma. A empresa tem tido ao longo dos anos a preocupação de ser sustentável em termos energéticos e ambientais. A energia que alimenta a unidade é produzida em co-geração na fábrica e a DAI ainda vende electricidade para a rede. Recentemente passou também a usar gás natural que permite um maior desempenho ambiental. Outra preocupação é a qualidade e a DAI está certificada e qualificada para fornecer todo o tipo de clientes por mais exigentes que sejam em termos de requisitos. Na fábrica da DAI em Coruche saem desde as pequenas saquetas usadas no café ou no chá até sacos de 1200 quilos. Alguns clientes são fornecidos, devido às grandes quantidades, em camiões cisternas. A fábrica ocupa uma área de 750 mil metros quadrados na zona de Monte da Barca. Apostando na inovação, na produção com o mais baixo custo possível mas com um rigoroso controlo da qualidade, a DAI é uma unidade de referência regional, nacional e até mundial como diz o próprio slogan da empresa: de “Coruche para o Mundo”.
“De Coruche para o Mundo”

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...