uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Prendado Manuel Serra d’Aire

Edição de 30.12.2013 | E-mails do outro mundo
Fico contente por saber que renovaste o teu stock de peúgas, pois um homem sem estar bem calçado nem parece o mesmo. Aliás, as peúgas estão para o Natal como estão o Menino Jesus, o Pai Natal, o bacalhau, o burro, a vaca e as reportagens televisivas com sem-abrigo. Sem eles, o Natal não existia, é verdade. E as peúgas, como instituição natalícia que são, devem ser respeitadas e acarinhadas.Afinal, o ex-presidente da Câmara do Cartaxo Paulo Varanda não se limitou, no dia em que cessava funções, a redigir um louvor ao seu irmão que é comandante da esquadra da polícia dessa cidade, tendo também despachado sessenta louvores a outros tantos funcionários da autarquia. O homem é um autêntico mãos largas, um verdadeiro Pai Natal da administração local. E com essa revelação constata-se ainda que não houve qualquer tratamento de excepção ao familiar e que há outras formas muito curiosas de passar o último dia em funções governativas. Já se conheciam casos como os dos ministros que dedicaram as últimas horas em funções a tirar fotocópias a documentos ou a rasgar papelada. Agora ficámos a saber que também há quem se dedique a despachar louvores. Enfim, cada um é para o que nasce...A Câmara de Torres Novas reduziu o orçamento em quase 20 milhões de euros e para tal só foi preciso, aparentemente, mudar de presidente e deixar o bom senso actuar. Depois do megalómano António Rodrigues das rotundas e palmeiras surgiu agora o espartano Pedro Ferreira, que já era vice-presidente mas, a bem da verdade, mandava pouco ou nada. A história dos orçamentos das câmaras é daquelas coisas que mereceria uma profunda reflexão, não fosse o assunto tão burocrático. Porque, das duas uma: ou a maior parte dos autarcas nunca conseguiu prever as receitas e despesas do ano seguinte ou, pura e simplesmente, não sabia fazer contas. Por isso é que na maior parte dos casos os orçamentos não eram cumpridos nem pela metade. E assim se foi acumulando dívida, sem que ninguém pusesse a casa em ordem e acabasse com o regabofe. Até chegarmos ao estado em que nos encontramos, sem dinheiro para pagar as contas e entregues aos usurários. Tenho uma novidade para ti. Pé ante pé, como quem não quer a coisa, o excelentíssimo senhor engenheiro Rui Barreiro (respeitinho é muito lindo e ele gosta!) está a regressar à ribalta da política partidária escalabitana e já figura como número dois da concelhia socialista, quiçá preparando uma eventual candidatura à presidência da câmara em 2017. Só de pensar nisso, meu caro, fico com as unhas dos pés encarquilhadas e os cabelos do crânio mais erectos que o instrumento do Zezé Camarinha quando fareja uma inglesa em biquíni. É óbvio que o regresso do excelentíssimo senhor engenheiro Rui Barreiro à presidência da Câmara de Santarém não seria a coisa mais dramática que poderia acontecer à autarquia após a passagem de Moita Flores, mas confesso que, de momento, não me consigo lembrar de outra. E tu? Que achas desse cenário? Já tens saudades dos suspensórios do homem?Um abraço do Serafim das Neves e votos de um 2014 à medida do perímetro abdominal do nosso compadre Fanã

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...