28º Aniversário | 18-11-2015 11:32

“A videovigilância não previne o crime porque isso só se consegue com a transmissão de valores”

Sente que seria capaz de ser um bom primeiro-ministro? No abstracto acredito que sim, na realidade não é uma função que está num patamar de responsabilidade e de conhecimento tal que me colocaria sérias dificuldades e alguma incapacidade para o desempenho que o país exige. É importante termos noção das nossas capacidades e aceitar com humildade as nossas limitações e, muito honestamente, gostava de ver replicada esta linha de pensamento, até mesmo no parlamento. Quais as qualidades que mais aprecia numa pessoa? Bom senso, verticalidade de carácter, simpatia e cordialidade.Qual a promessa que fez a si próprio mais vezes no início de cada ano e que vai continuar a fazer porque ainda não conseguiu cumpri-la? Tudo o que prometo a mim próprio é integralmente cumprido, respeito pelo próximo e ter um desempenho profissional rigoroso, dedicado, crescendo sem esmagar o outro.Qual é o seu maior defeito? Ser perfeccionista comigo próprio e, em alguns momentos, dar demais de mim.Quais os personagens históricos que mais despreza? Todos aqueles que de um modo ou outro atentaram contra a vida humana e seus valores.O que significa a expressão “Gozar a vida”? Desfrutar da família, dos amigos, de uma cumplicidade social saudável.Sabe o que anda a fazer neste mundo? Em nenhum momento da minha vida tive dúvidas: no plano pessoal, a consolidar um projecto família no seu sentido mais abrangente, garantindo o conforto, a transmissão de valores aos meus filhos, o crescimento intelectual, isto é, crescer em idade mas também em maturidade. Profissionalmente, com o melhor desempenho que consiga, a aportar valor aos projectos que dirijo, executando com brio as responsabilidades que me são cometidas.O mundo vai ter que falar mandarim ou os chineses é que vão passar a falar inglês? Os chineses vão ter necessariamente que passar a falar inglês.A Justiça é igual para todos? Em alguns momentos tive dificuldade em pensar que sim, hoje acredito que o sistema judicial é independente e funciona bem. Os recentes casos que envolvem políticos e figuras públicas são a clarividência da mudança.Qual o seu prato preferido de bacalhau? Bacalhau assado com batata a murro e torricado.Subscrevia uma proposta para termos outro hino nacional? Não, de todo.Este Mundo está perdido? Perdido não, mas carente de valores, de respeito, de civismo, de cidadania.Alguma vez assistiu a uma tourada ao vivo? Assisto anualmente a algumas touradas em Portugal, aprecio toda a envolvente de uma Corrida à Portuguesa, desde os cavaleiros aos bandarilheiros, dos forcados aos campinos.O que gostava de fazer e não faz para não cair no ridículo? Nada do que eu gostasse de fazer e não faço é passível de ser considerado ridículo, logo não o faço por motivos de outra ordem.Sendo o preço médio de mil litros de água da rede um euro e meio podemos dizer que a água está cara? Julgo que sim, todavia nem o seu preço tem condicionado um comportamento de uso mais eficiente, naquilo que é uma preocupação premente da humanidade, a escassez de água.O que sente quando vê pessoas a pagar promessas de joelhos em Fátima? Respeito. Respeito pela religião, pela sua fé, pelo desespero que muitas vezes as leva a fazê-lo.Sente-se livre? Perfeitamente.A instalação de câmaras de vídeo vigilância é uma boa maneira de combater a criminalidade? É lógico que não. É residual o seu valor em termos de prevenção, muito menos em termos de combate. O problema da criminalidade é bem mais profundo. A sociedade, as escolas, os lares e os valores que cada um deles respectivamente transmite são a melhor resposta para o combate à criminalidade.O Facebook e as outras redes sociais melhoraram a sua vida? Essencialmente pelo facto de me terem possibilitado encontrar alguns velhos amigos, pela partilha e pela actualidade. Gosta de uma boa discussão? Aprecio uma boa discussão, como assistente e também como participante.Deitar cedo e cedo erguer dá saúde e faz crescer? Inequivocamente e faço-o sempre que posso… O que tem que fazer um homem para ser um verdadeiro homem? Plantar uma árvore, escrever um livro e ter um filho… quando escrever o meu livro, acrescentarei: emprestar algum tempo à causa pública, ao associativismo, a causas solidárias.Lembra-se da última vez que usou a bicicleta como meio de transporte? Todas as semanas passeio de bicicleta com o meu filho mais novo.Quais as tradições que nunca podemos deixar morrer? Desde o Fado à Tauromaquia, passando pelo Folclore, do vinho tinto ao azeite, da filigrana à cerâmica e das festas às romarias, Portugal tem um legado enorme de tradições a manter.O respeitinho é muito bonito? Não dito dessa forma, mas o respeito é muito bonito, o respeito pelo outro, o respeito pela nossa cultura, pelas nossas tradições.A beleza é fundamental? A beleza é importante mas não fundamental. Fundamental são os valores que aportamos, a índole, o carácter.O que seria para si uma tragédia? Ficar precocemente impossibilitado de desenvolver a minha actividade profissional ou incapacidade para um quotidiano normal.Quem lhe contava histórias quando era criança? A minha Mãe.Quem gostaria de ser se não fosse quem é? Talvez... o Rui Rosa.Fazem falta mais mulheres na política? Não deveria haver Lei da Paridade para definir o número de mulheres na política. Os talentos, independentemente das quotas ou do género, deveriam ser aproveitados.O que é bom é para se ver? Sem dúvida… quando conseguimos.Gosta de ir votar? Naturalmente que sim, faço-o escrupulosamente desde que tal me foi possível. É um dever cívico, um acto de cidadania que me deixa conforto. O voto é a essência da democracia.Alguma vez escreveu um poema? Muitas vezes escrevi um poema.Há alguma coisa pela qual ainda valha a pena lutar até à morte se necessário for? Vale a pena, parafraseando Baden Powell, fundador do Escutismo, lutar por “deixar o mundo um pouco melhor do que o encontrei”… e tenho esta máxima sempre presente.Tem alguma superstição? Absolutamente nenhuma.Durante quanto tempo é capaz de guardar um segredo? Para a vida.“Só com o inestimável apoio e compreensão da família se conseguem alcançar objectivos profissionais”Como tem sido o seu percurso profissional? Iniciei a minha carreira profissional nos serviços administrativos de uma indústria metalomecânica de referência a nível nacional e também internacional onde me destaquei na área de contabilidade, mais tarde como Chefe de Serviços e na Direcção Administrativa e Financeira onde, após cerca de 20 anos se fechou o ciclo da Indústria para ingressar na área da gestão de Centros Comerciais, inicialmente num Outlet, também ele de referência a nível nacional, tendo há cerca de 5 anos sido convidado pela JLL ( Jones Lang LaSalle) para a gestão do W Shopping em Santarém. Estudo, dedicação, empenho, resiliência e disponibilidade são alguns dos factores que contribuíram para, paulatinamente, me ir realizando profissionalmente, numa verdadeira entrega aos projectos, vivendo-os, sentindo-os!A família ajuda e é parte importante da estratégia profissional? A família é parte integrante de um projecto de vida, logo está também associada directamente ao projecto profissional; são duas coisas indissociáveis, o bem-estar de uma condiciona a outra e vice-versa, pelo que a melhor estratégia é o equilíbrio harmonioso da vida profissional e pessoal. A dinâmica profissional de hoje exige muito de todos nós, pelo que só com o inestimável apoio e compreensão da família se conseguem alcançar os objectivos.Como é que classifica os recursos humanos disponíveis no mercado ? Classifico-os de bem preparados, capazes de enfrentar desafios, mas com falta de oportunidade para poderem mostrar as suas capacidades. Está preparado para tudo na sua vida profissional? Ao longo da minha vida tenho provado que sim, superando dificuldades, vencendo obstáculos.Comente a situação actual do país onde vive e da sua região em particular. No plano nacional vivemos neste momento a angústia da incerteza do que pode resultar do quadro político actual, e que venha a ditar inflexão no sentido de retoma que a economia denota. No plano regional com grandes desafios pela frente que passam pela atracção de indústria, pela dinamização do comércio, por uma aposta forte no Turismo. Santarém tem um potencial enorme, o seu património, a sua oferta gastronómica, o Tejo, a Lezíria, os vinhos, a oferta cultural e religiosas, são argumentos que devem ser articulados potenciando o desenvolvimento turístico, através de um rigoroso processo de planeamento do mesmo.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo