28º Aniversário | 18-11-2015 15:42

“Não me lembro se alguma vez utilizei a bicicleta como meio de transporte”

O respeitinho é muito bonito? Se é bonito ou não, não sei. Só me preocupa a falta que faz! O respeito não se impõe, conquista-se! Vem do que a pessoa é e faz. Como dizia um distinto escritor da Chamusca: “Aprendi a não tentar convencer ninguém. O trabalho de convencer é uma falta de respeito, é uma tentativa de colonização do outro.” O Facebook e as outras redes sociais melhoraram a sua vida? Ainda não entendi bem qual a exacta utilidade do Facebook e das outras redes sociais. Será que a informação ali disponível irá alguma vez mudar o meu comportamento futuro ou continuará apenas a ser ruído? Encontrar novos amigos, ainda não encontrei! Conhecer amigos de amigos comuns, ainda não conheci! Dar a conhecer o que estou a fazer, a querer fazer e a pensar fazer, ainda não o fiz! Cativa-me apenas aquela parte de poder ‘tentar mobilizar a sociedade em volta de interesses comuns’! Que é poucochinho é…mas já nem sei se isso é muito ou é pouco!Qual a tradição que nunca podemos deixar morrer? «O que é nacional é bom!» Uma expressão em cima duma tradição! Esta expressão, usada para promover a venda de bolachas e pacotes de massa serve também para reforçar o orgulho português ou para consumir produtos made in Portugal. Não podemos esquecer que é o nacional que continua a ser bom!Gosta de uma boa discussão? As discussões que visam edificar, divertir e aprimorar o raciocínio (uma espécie de Chautauqua do século XIX) são sempre bons momentos que muito aprecio. Quando as discussões representam apenas cópias baratas de diálogo, trazendo até ‘berraria’, só traduzem momentos de descontrolo e desequilíbio que não me seduzem.O que tem que fazer um homem para ser um verdadeiro homem? O verdadeiro homem deve ser modesto nas suas certezas e na defesa das suas razões. ‘Eu, pessoalmente, pouca importância atribuo às razões de cada um, porque uma razão é uma coisa que todos têm, dizia Rómulo de Carvalho quando nos ensinava que os nossos olhos foram programados para serem sensíveis apenas a uma muito pequena fracção das radiações dos espectro solar. Se nem sequer sabemos como são as coisas que vemos, se apenas sabemos como as vemos então, o homem (verdadeiro) deve ser modesto nas suas certezas.A beleza é fundamental? Para os gregos, um corpo bonito era uma prova de uma mente brilhante. A beleza era uma dádiva dos deuses e o seu exterior escondia um interior ainda mais perfeito. Se assim fosse a beleza era mesmo fundamental. Mas afinal não é! É apenas um bonito embrulho...Quem lhe contava histórias quando era criança? A minha mãe, obviamente! Mesmo em silêncio, eram sempre ‘lindas’ as histórias que ela me contava!Ler jornais é saber mais? Num tempo em que as pessoas desfrutam das vantagens da informação rápida da era digital e conhecem depressa tudo o que se passa no mundo, a vontade de ter acesso às informações micro do espaço onde vivem continuará a ser uma constante entre as populações de uma região. Ler jornais será sempre saber mais e é a imprensa regional que tem o papel de destaque neste conhecimento.Quem gostaria de ser se não fosse quem é? Não me consigo rever na pele de ninguém. Talvez (não o sei bem) gostasse de voltar a ser quem era há 40 anos atrás! Fazem falta mais mulheres na política? De um modo geral, diz o ditado que ‘Se não fizessem tanta falta, as mulheres não faziam falta nenhuma!’ Em política, julgo tratar-se literalmente de uma discussão totalmente bizantina e sem qualquer interesse. Quais as qualidades que mais aprecia numa pessoa? O bom senso, o bom gosto e o golpe-de-asa.Qual a promessa que fez a si próprio mais vezes no início de cada ano e que vai continuar a fazer porque ainda não conseguiu cumpri-la? Este ano é que é!Qual é o seu maior defeito? Perdoo sempre mas sou incapaz de esquecer. Quais os personagens históricos que mais despreza? De um modo geral, todos os invertebrados sem honra e todos aqueles que, ao longo da história, se refugiaram no papel de ditadores. De um modo muito particular, face ao quadro de devastação deixado pelas invasões francesas no Ribatejo, indigno-me verdadeiramente (desprezo?) com os saques e pilhagens de populações rurais, com os raptos de mulheres e outros desmandos dos Junots, Massenas e outros desertores portugueses que ‘por ali viveram em perpétuas orgias’. Indigno-me e desprezo também o imediato aproveitamento das novas clientelas escalabitanas surgidas com a distribuição dos ‘subsídios de perda’ atribuídos após a saída definitiva da cavalaria francesa. Mas esses são outros quinhentos…O que é bom é para se ver? Se o fruto proibido (escondido) é sempre o mais apetecido, o que é mesmo bom é dar lugar e dar largas à imaginação! Deixemos pois a exibição de plumas, lantejoulas e outras exiguidades para as cenografias das verdadeiras ‘vedetas’ em outros palcos. Qual a sua actividade preferida? ‘Andar por aí’ fazendo o bem sem olhar a quem. Como eu percebo Mahatma Ghandhi quando dizia que não existe um caminho para a felicidade. “A felicidade é o caminho.’Há alguma coisa pela qual ainda valha a pena lutar até à morte se necessário for? Pelos entes mais queridos, sem a mínima dúvida.Tem alguma superstição? Em miaor ou menor grau, faz parte da identidade portuguesa ser supersticioso. E as pessoas , mesmo as que se riem das superstições, acreditam e seguem-nas. Que me lembre, bato sempre três vezes na madeira para afastar os maus espíritos e nunca abro um chapéu de chuva em casa - dizem que atrai problemas e os que eu tenho já me chegam! Lembra-se da última vez que usou a bicicleta como meio de transporte? Não me lembro se alguma vez utilizei a bicicleta como meio de transporte!Durante quanto tempo é capaz de guardar um segredo? Um segredo é sempre um segredo!O que significa a expressão “Gozar a vida”? Só conseguiremos “Gozar a vida” e sermos felizes se nos conseguirmos ‘amarrar’ a uma meta e não a coisas. Venho tentando…Alguma vez sentiu orgulho em ser cidadão europeu? A Europa, em termos relativos, vai continuar a viver uma progressiva perda de influência à escala mundial. Pode até continuar a fazê-lo nesta forma desordenada e com um preço elevadíssimo para os europeus. No entanto, continuarei a preferir ser europeu e a viver nesta Europa. Talvez seja orgulho!Sabe o que anda a fazer neste mundo? Muito pouco. Só sei que sou matéria, um todo que funciona como uma máquina com uma fonte de energia que a faz funcionar. Quando essa energia se esgotar e o sistema deixar de funcionar morrerá corpo e alma (quem determina os sentimentos, impõe os comportamentos, as decisões, as opiniões,…) sairá sabe-se lá para onde. Eu que sou ela terei um destino que não sei qual é! O que ando cá a fazer e o que farei depois nada sei! Mistérios. Tudo mistérios.O meu professor Rómulo de Carvalho dizia que as almas tinham que ter um destino. Poderiam até ficar num depósito de reserva para necessidades futuras de distribuição de almas? Alguma vez pediu o livro de reclamações? Sim claro, uma reclamação é sempre uma oportunidade de melhoria em ‘fato de trabalho’. São verdadeiras pepitas de ouro para quem as recebe! O que eu nunca pedi foi o Livro de Elogios.O mundo vai ter que falar mandarim ou os chineses é que vão passar a falar inglês? Se um chinês normal só consegue ler um jornal se conhecer no mínimo 2.500 ideogramas, se um chinês culto só consegue identificar entre 3.500 e 5.000 ideogramas do total de 60.000 existentes então, o inglês, face à sua simplicidade, não dará nunca muitas hipóteses ao mandarim para se afirmar!A Justiça é igual para todos? Continua a existir ainda em Portugal uma preocupante perceção de assimetria da impunidade. Apesar de alguma poeira que circula no ar, há ainda uma forte sensação de iniquidade moral onde a justiça é incapaz julgar os mais fortes.Qual o seu prato preferido de bacalhau? No que se refere a preferências de bacalhau o que eu não gosto mesmo é de “Ficar em águas de bacalhau” , algo iniciado e que ficou por concluir!Sabe algum refrão de uma cantiga do Quim Barreiros? “…Ó malta vamos cantar / Vamos lá cantar com rima / Quem pode, pode / Quem não pode sai de cima”Viu algum filme do cineasta Manoel de Oliveira do princípio ao fim? De certeza, o Aniki Bóbó. A sua primeira longa metragem, um filme do tempo em que os filmes de Manoel de Oliveira ainda eram exibidos no Brasil sem legendas em português para traduzir o português!Este Mundo está perdido? Lembrei-me do filme “Os cavalos também se abatem” passado na década de 30 nos EUA, quando a grande depressão obrigava as pessoas a tomarem medidas desesperadas para sobreviver. Nesse filme, os concursos (maratonas) de dança pareciam uma forma simples de ganhar algum dinheiro mas a realidade era bem diferente – a competição e a violência subjacentes a estes concursos chegavam a extremos inesperados onde, com grande facilidade, pessoas transformavam outras pessoas em não-pessoas. Pensei que aquela barbárie que o filme mostrava, com uma ligação à realidade, era distante de mais para se passar entre nós. Não era! Afinal a barbárie anda por aí num mundo meio perdido! (Vou revisitar o filme)Tem médico de família? Os últimos dados oficiais indicam que são perto de 1,3 milhões os portugueses que estão sem clínico assistente nos centros de saúde. Eu sou um deles! Afinal não estou sozinho.De quantas horas de sono precisa para acordar bem-disposto? Já me bastam quatro horas seguidas. O que gostava de fazer e não faz para não cair no ridículo? Julgo sinceramente que (cair no) ridículo é fazer o que todos fazem, razão porque devemos ser nós mesmos. E é isso o que tento sempre fazer.Tenho uma boa relação com o ridículo.Tem alguma tatuagem ou já pensou em fazer uma? Não tenho, nem nunca pensei fazer qualquer tatuagem. Sei que existem tatuagens temporárias, até em folha de ouro, mas o apelo ainda não chegou!Tem a profissão que gostaria de ter? Gosto do que faço e da profissão que tenho. No entanto, poderia ter repensado a minha ida para Engenharia se tivesse percebido que aquilo que o psiquiatra faz não é apenas ser ‘médico de loucos’! Há até alguma semelhança com o desempenho empresarial - quem sabe se, com um conhecimento aprofundado de ansiedade, fobias, obsessões, depressões e outros distúrbios, colocando-as no divã, não poderia ajudar a melhorar o desempenho de algumas empresas que conheço bem.O que sente quando vê pessoas a pagar promessas de joelhos em Fátima? Não faço a menor ideia se a fé chega ou não de joelhos! O que é suposto é que no seu percurso para o Santuário de Fátima, os peregrinos tomem consciência das suas fragilidades e culpas, meditem sobre o significado profundo da vida e sobre aquilo que nela é essencial buscando a libertação interior que lhes permitam mudar de vida. Se algumas atitudes e práticas penitenciais que pisam o risco pelo exagero ajudam ou não a fazer este percurso espiritual, sobre isso não me posso pronunciar. Simplesmente, não sei!Um dia, António Pinto Leite escreveu dizendo que ia a Fátima simplesmente porque sentia necessidade de ir e que não queria aprisionar esse sentimento livre em nenhuma infatigável introspeção. Sente-se livre? Claro que não sou livre para fazer o que quero a qualquer hora. Mas é a vida! Foi bom acabar esta viagem (a resposta a este questionário) com uma bela canção ‘do meu tempo’- I’m free dos Rolling Stones. (I’m free to do what I want any old time/So love hold me love me hold me) . “Estou há quinze anos nesta empresa e parece que cheguei ontem”Fale-me da sua vida de empresário e da forma como chegou a este negócio? Depois de uma licenciatura em Engenharia Civil (IST) em Urbanização e Transportes ou apostava no Urbanismo, no âmbito das políticas públicas, ou nos transportes na área empresarial. Ainda antes do ‘25 de Abril’ comecei a trabalhar na ex-Sociedade do Estoril (hoje CP-Linha de Cascais), estive nos Sectores Especiais (nos Transportes Postais dos ex-CTT), estive na CP (ex-Direção de Equipamento) mas do que eu sempre gostei foi do transporte rodoviário. Sendo hoje quadro do Grupo Barraqueiro estou atualmente na Rodoviária do Tejo para onde fui por três anos e já cá estou há 15 anos. Parece que cheguei ontem! Esta empresa e esta região são um constante desafio e encanto. Confúcio dizia: «Encontra um trabalho que te deixe feliz e nunca mais terás de trabalhar.»A família ajuda e é parte importante da estratégia empresarial? No mundo empresarial, a palavra ‘risco’ talvez seja hoje a palavra mais importante mas, muitas vezes, não o queremos assumir com medo de falhar. Não devemos nem podemos ter medo porque é o risco que nos leva à diferença. O risco é tudo... e é muito aí que a família conta!Como é que classifica os recursos humanos disponíveis no mercado? Hoje, encontramos jovens que querem um emprego, que querem trabalhar mas sonham também não ser integrados em molhadas desmobilizadas, desinteressadas, e desresponsabilizadas lideradas por chefias asfixiantes, infantilizantes e repressivas. Está preparado para tudo na sua vida de empresário? Profissionalmente, julgo ser suficientemente consistente como o não era Oscar Wilde para quem a consistência era o último refúgio dos que não têm imaginação, mas estou nas empresas como estaria na organização medieval das abadias, preparado para quase tudo, ou seja: “Hoje irmão superior, amanhã frade hortelão”.Comente a situação atual do país onde vive e da sua região em particular Assumo que gostava de viver num país mais qualificado onde as ambições políticas não se resumissem a uma espécie de transumância, que é, como se sabe, o movimento dos rebanhos à procura de bons e melhores pastos. No Ribatejo reconheço uma região com enormes, enormes potencialidades, com gente jovem, interessada e competente que, chegada agora a sua vez, levará certamente esta região a uma nova senda de êxito e sucesso. Eu acredito.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1363
    08-08-2018
    Capa Vale Tejo