28º Aniversário | 18-11-2015 11:41

“Nunca prometo quando penso que não vou cumprir”

Fale-nos da sua vida profissional e da forma como lá chegou. A minha vida profissional poderá resumir-se em duas palavras: “Médico – Autarca”!Ingressando na Faculdade de Medicina de Lisboa, seguindo o exemplo de meu pai, após a licenciatura, em 1981, comecei a minha prática médica, no Hospital de Santa Maria, trabalhando ainda na Clínica de São João de Deus, em Lisboa, tendo optado posteriormente pela carreira de Clínica Geral, por concurso público, ficando médico do Centro de Saúde de Torres Novas (donde saí como Assistente Graduado, com o grau de Consultor em Clínica Geral), concomitantemente com consultório na Golegã.Em 1997, aceitei o convite do Partido Socialista para me candidatar à presidência da Câmara Municipal da Golegã, tendo iniciado o meu ciclo autárquico em Janeiro de 1998.No ano de 2013 terminei, por imposição legal, 16 anos de presidência da câmara municipal, ano em que fui eleito presidente da Assembleia Municipal da Golegã, cargo que mantenho, além de me continuar a dedicar à criação de cavalos, desempenhando também funções de Assistente da cadeira de Geriatria da Faculdade de Medicina da Universidade Clássica de Lisboa.Actualmente presido à direcção da Associação Nacional de Turismo Equestre, à direcção da Associação Portuguesa de Criadores de Raças Selectas e ao Conselho de Administração da Lusitanus – Turismo Equestre S.A. A família ajuda e é parte importante da estratégia profissional? A família é sempre um pilar e um escudo que, muitas vezes, por aquilo que empresto no dia-a-dia ao meu labor profissional, quer por uma questão educacional, quer cultural, é relegada.Como classifica os recursos humanos disponíveis no mercado? Se, de uma forma geral, existe uma melhor preparação teórica nas novas gerações, na prática, muitas vezes, revelam-se aquém das expectativas que imaginaram e criaram quando entram no mercado de trabalho. Hoje com um mercado cada vez mais exigente, geralmente só quem tem qualidade é que nele terá maiores possibilidades de se afirmar. Está preparado para tudo na sua vida profissional? A vida é uma aprendizagem contínua. Penso que estou preparado para as vicissitudes e obstáculos que se me podem deparar, estando certo que poderão surgir situações que requeiram uma abordagem diferente da normal, estando sempre aberto, por isso, à reflexão e conselhos sobre a solução a tomar. Comente a situação actual do país onde vive e da sua região em particular. A situação do país é também consequência da situação europeia e mundial. É um país cujo estado de espírito, nos últimos anos, alterna entre a angústia e a instabilidade. Falta liderança, falta confiança, falta “elite” e “referências”!!Sobretudo a falta de credibilidade nos políticos de um país, cujos governos se apresentam por alternância e não como alternativa. Essencialmente há ausência de estadistas e presença “forçada” de políticos de pouco nível e credibilidade. Qual a tradição que nunca podemos deixar morrer? Não devemos deixar morrer um conjunto de comportamentos, costumes e memórias que determinam a cultura da comunidade onde nos inserimos. O respeitinho é muito bonito? É um dos valores mais importantes da interacção social.A beleza é fundamental? Essencial, aliás sou um esteta por excelência!!O ensino do fandango devia ser obrigatório nas escolas ribatejanas? Como sabe, enquanto presidente de câmara e responsável pelo pelouro da Educação, instituí, em 1998, a Equitação, como Actividade de Enriquecimento Curricular (AEC) nas escolas básicas do concelho, ou não estivéssemos nós na Capital do Cavalo. Poderia ser pertinente o ensino do fandango, como opção na AEC de Música, por exemplo. O Facebook e as outras redes sociais melhoraram a sua vida? Não melhoram a minha vida, ter-lhe-ão dado mais qualidade por algo que gosto, ou seja, socialização, interacção e aproximação. Deitar cedo e cedo erguer dá saúde e faz crescer? Como me deito tarde, já que gosto de pensar, reflectir, “estudar” e escrever, quando os “outros” estão a dormir, e não muito cedo me ergo, terá sido por isso que não passei de 1,69 m. O que tem que fazer um homem para ser um verdadeiro homem? Sobretudo ter carácter, pois um Homem sem carácter não é um Homem, é uma coisa.O que seria para si uma tragédia? Algo contra natura, tal como um filho “ir à frente” do pai. Quem lhe contava histórias quando era criança? O meu padrinho de baptizado, na maioria das vezes.Fazem falta mais mulheres na política? O que faz falta é a correcção e a honestidade, a clareza e a transparência, o profissionalismo e as qualidades humanistas, seja mulher ou homem. Sente que seria capaz de ser um bom primeiro-ministro? Nunca poria essa hipótese! Quais as qualidades que mais aprecia numa pessoa? Personalidade e honestidade intelectual. Qual a promessa que fez a si próprio mais vezes no início de cada ano e que vai continuar a fazer porque ainda não conseguiu cumpri-la? Nunca prometo, quando penso que não vou cumprir… Nem a mim próprio!!Como é um dia bem passado? Quando atinjo as metas a que me propus, fazendo disso um momento feliz.Quais os personagens históricos que mais despreza? Hitler e os seus “algozes”, entre os primeiros que mais desprezo, antes de Estaline, vindo depois todos aqueles que violaram os direitos humanos, massacraram e executaram. O que é bom é para se ver? É, mas o fruto “escondido” [proibido] é o mais apetecido. Qual a sua actividade preferida? Não tenho nenhuma preferida, pratico várias actividades de que gosto, nomeadamente montar a cavalo, andar de moto e conduzir os meus clássicos, entre outras, como escrever ou desenhar.Alguma vez escreveu um poema? Já, mas dei-me melhor com a prosa.Há alguma coisa pela qual ainda valha a pena lutar até à morte se necessário for? Pelos meus filhos…Tem alguma superstição? Uma que herdei de meu pai… não pôr um chapéu em cima da cama!Durante quanto tempo é capaz de guardar um segredo? Depende do segredo, apesar de que se tratando de um segredo, é para se guardar. Ir comprar roupa ou calçado dá-lhe prazer? Muito relativo e prefiro comprar tudo de uma vez, do que ir às lojas muitas vezes.Alguma vez pediu o livro de reclamações? Nunca. Prefiro, olhos nos olhos, reclamar. O mundo vai ter que falar mandarim ou os chineses é que vão passar a falar inglês? Com a perda da soberania histórica europeia já nada me admira.A Justiça é igual para todos? Não. Qual o seu prato preferido de bacalhau? Bacalhau Dourado.Sabe algum refrão de uma cantiga do Quim Barreiros? “O pau caiu na panela … está junto do coentro”Alguma vez frequentou uma praia de nudismo? Não. Este Mundo está perdido? O Mundo não, as pessoas é que por vezes se “perdem”.O que gostava de fazer e não faz para não cair no ridículo? Tirar o capachinho a alguém que cai no ridículo ao usá-lo.O que sente quando vê pessoas a pagar promessas de joelhos em Fátima? Algo de cristianismo histórico primitivo … “pagão”!Sente-se livre? Não me sinto, nem conheço ninguém.Quantos verdadeiros amigos acha que tem? Quatro ou cinco?

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1373
    17-10-2018
    Capa Médio Tejo