uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Só há dois médicos na Castanheira do Ribatejo para 10 mil habitantes

População está descontente e concentrou-se em protesto à porta do centro de saúde

Muitas pessoas que não conseguem consulta acabam por recorrer às urgências do Hospital de Vila Franca de Xira.

Edição de 06.04.2016 | Sociedade
No centro de saúde que serve a União de Freguesias de Castanheira do Ribatejo e Cachoeiras só há dois médicos ao serviço para acompanhar uma população de mais de 10 mil habitantes. Vários funcionários daquela unidade de saúde confirmam que não têm condições para acudir a todas as situações e por isso os doentes estão a ser encaminhados para as urgências do Hospital de Vila Franca de Xira.Para tentar minimizar a situação vários utentes estão também a ser encaminhados para o Serviço de Atendimento Permanente (SAP) de Alverca, que tem quatro vagas diárias para os utentes da Castanheira. O problema é que a unidade de saúde de Alverca também está em ruptura há vários meses, com médicos alegadamente esgotados e a atender utentes acima das suas capacidades. Para agravar a situação a falta de transportes regulares para a cidade vizinha tem causado transtornos nos utentes da Castanheira mas particularmente das Cachoeiras. O centro de saúde da Castanheira já chegou a ter cinco médicos ao serviço mas a reforma de dois deles e a entrada de baixa por doença de um terceiro deixou apenas dois clínicos ao serviço.Para chamar a atenção para o problema cerca de três dezenas de utentes reuniram-se na tarde de 22 de Março em protesto à porta do centro de saúde. Os utentes reclamaram a contratação temporária de mais médicos que possam assegurar as consultas de recurso. O MIRANTE apurou que no local, devido à sobrecarga de trabalho, os médicos mal conseguem ter tempo para passar receitas, alguns fazendo esse trabalho nos intervalos em que atendem os utentes. O presidente da Câmara de Vila Franca de Xira, Alberto Mesquita, conhece o problema e admite que este é um “flagelo” que não é de fácil resolução e que precisa de começar a ser olhado com seriedade pelo Governo. “É um problema que passa pelo Governo e a nós compete fazer chegar a informação que as coisas não estão a correr bem e é mesmo isso que vamos fazer. Alguma coisa precisa de ser feita”, informou o autarca, numa das últimas reuniões públicas de câmara.No concelho de Vila Franca de Xira, recorde-se, são já 65 mil as pessoas sem médico de família e que são obrigadas a ir às urgências do hospital ou a procurar consultas de recurso para se tratarem. É o equivalente a quase metade da população do concelho, que se aproxima dos 137 mil habitantes.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...