uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Provedor da Misericórdia do Entroncamento demite-se e ninguém explica porquê

Edição de 02.11.2016 | O MIRANTE dos Leitores

O Provedor da Santa Casa da Misericórdia do Entroncamento demitiu-se. Aquela instituição tem a funcionar um hospital, dois lares de idosos e uma Unidade de Cuidados Continuados onde trabalha centena e meia de pessoas. A demissão surgiu na sequência de uma reunião em que estiveram presentes, segundo li, o Provedor, o Bispo de Santarém, o responsável pela Segurança Social distrital e o presidente da câmara. Muita gente para uma simples demissão, ou seja, os problemas que a Misericórdia tem são de monta. Perante tudo isto, silêncio total de todos os intervenientes. Ninguém dá explicações à população. Ninguém sabe o que se passa para além do pouco que os jornais vão dizendo e que não é quase nada.
Esta é a democracia que temos. Paredes transparentes quando tudo vai bem e paredes de chumbo quando alguma coisa vai mal. No tempo do fascismo também era assim. O 25 de Abril e quarenta anos de regime teoricamente democrático e estamos no ponto de partida.
É certo que a Santa Casa da Misericórdia do Entroncamento é uma instituição privada mas não é menos certo que muito dinheiro público para ali tem sido canalizado para pagar serviços e para ajudar a resolver problemas. Não são todas as instituições privadas que gozam desse estatuto. Há dinheiro dos impostos pagos por cidadãos portugueses que ajuda a sustentar a Misericórdia do Entroncamento. Os cidadãos têm o direito de saber o que se passa. Se a instituição não fala, nem através dos seus canais próprios nem através da entidade que a tutela, a Igreja Católica, têm que falar os responsáveis públicos, nomeadamente o director da Segurança Social Distrital. Pessoalmente, quero saber o que andam a fazer com o dinheiro que pago de impostos e que tanto me custa ganhar. E tenho direito a dizer que não quero que tal dinheiro sirva para financiar organizações opacas.
Virgílio M. Fona

Tenho uma pergunta a propósito da demissão do Provedor da Santa Casa da Misericórdia do Entroncamento, Sr. Manuel Fanha. Quantos elementos da família Fanha ali trabalham? Que eu tenha confirmado, o filho do Provedor, Eduardo Fanha Vieira, presta serviços à instituição. Na lista dos corpos sociais para o quadriénio 2014/2018, para além do Sr. Manuel Fanha, aparece o outro filho dele, João Fanha Vieira, como 1º secretário do Conselho Fiscal. E trabalham também na Misericórdia os netos do Provedor, João Pedro e a Leonor. É normal numa empresa familiar o proprietário dar empregos e cargos à família mas será a Santa Casa da Misericórdia do Entroncamento uma empresa da família Fanha Vieira?
Samuel Bento

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...