uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Aeromodelismo não vinga na cidade berço da aviação

Aeromodelismo não vinga na cidade berço da aviação

Clube de Aeromodelismo de Alverca do Ribatejo nasceu há dez anos.

Edição de 05.01.2017 | Desporto

O Clube de Aeromodelismo de Alverca do Ribatejo (CAAR) celebrou 10 anos em Setembro de 2016. A colectividade dedica-se à construção e voo de modelos de aviões em pequena escala, mas apesar de estar situada numa terra associada aos primórdios da aviação portuguesa o clube não tem conseguido crescer nem atrair novos praticantes, em parte por não ter uma pista própria.
O clube pratica aeromodelismo em vários locais, desde o Depósito Geral de Material da Força Aérea em Alverca, ao campo de voo da Azambuja, ou à pista da federação na Maçussa. Para voo no interior já usaram os pavilhões de Alverca e Sobralinho, para modelos com pouco mais de 100 gramas. Contudo a utilização destes espaços requer uma constante burocracia e maioritariamente só são usados em dia de provas.
“Cheguei a lembrar a presidente da Câmara de Vila Franca de Xira na altura, Maria da Luz Rosinha, que nos faltava um campo para podermos treinar. Há características específicas para praticar a modalidade. Para o voo circular temos de ter uma pista com um diâmetro de 50 metros, para as outras categorias precisamos de medidas diferentes, mas o mais importante de tudo é que tem de estar vedado. Não podemos voar em qualquer lado. Somos federados e temos regras a cumprir. Se um avião se perde e bate num carro, num peão ou destruir propriedade alheia ficamos tramados”, refere Rui Fonseca, 71 anos, fundador e presidente do clube.
As salinas de Alverca e Póvoa e o terreno adjacente à Rua Combatentes da Grande Guerra em Vialonga são locais onde se encontram praticantes de aeromodelismo, tanto com modelos de aviões como com os actuais drones. Mas Rui rejeita correr o risco de fazer qualquer actividade nesses locais, referindo que há outros clubes a sofrer o mesmo problema com a falta de pista. Acabam por “ir bater à porta dos outros”, mas apesar da boa vontade de algumas entidades sentem-se limitados.
O clube está sediado no Centro Cultural do Bom Sucesso (Alverca), local onde faz a manutenção dos modelos e tem os instrumentos didácticos, mas sem pista para treinar também não consegue cativar alunos. Após a teoria os aprendizes querem pôr em prática o que aprenderam e o CAAR não tem como assegurar o lançamento dos aviões. Resta aos alunos esperar por um fim-de-semana onde acompanham elementos do clube às pistas. De momento o CAAR tem 22 praticantes, de várias faixas etárias.
Actualmente são Rui Fonseca e Luís Carapito que mais tempo têm para o clube. Rui teve conhecimento da modalidade quando trabalhava na OGMA, mas foi o filho, Pedro Fonseca, que o introduziu ao desporto. Em 1988 descobriu que o filho fazia aeromodelismo no Colégio Militar e conheceu o seu professor Loureiro Sousa, também presidente da Federação. Em 2006 decidiu criar em Alverca um clube, dada a ligação da cidade com a aviação.
Já Luís, engenheiro de 51 anos na OGMA, tomou contacto com a modalidade aos 16 anos num programa de TV de Júlio Isidro e achou curioso como aquelas pequenas peças funcionavam.
Os dois lembram o fraco interesse dos jovens em aprender a modalidade e dizem que cada vez menos se vê gente nova no desporto. Rejeitam também que o desporto possa ser caro. “Com cinco euros tens um modelo de aeromodelismo, o único custo é o motor, o resto é plástico e madeira trabalhada”, diz Luís.

Aeromodelismo não vinga na cidade berço da aviação

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...