uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Tejo – Almaraz

O que será um bom acordo? Intriga-me muito. O fecho de Almaraz? Por tudo o que se tem dito e escrito esse é o único final que se aceita como bom. Sei e todos sabemos que o aterro de resíduos nucleares vai ser construído e por isso não se compreende o que é “um bom acordo”.

Edição de 19.01.2017 | Opinião

Durante cerca de 40 anos pouco ou nada se ouviu falar de Almaraz e a central esteve estes anos a laborar no mesmo sítio, no rio Tejo. Seja como for o fecho da central, quando acontecer, será muito mais exigente e complicado que a sua operação.
Entretanto suspeita-se que o Governo espanhol decidiu ampliar o tempo de vida de Almaraz e vai construir um aterro de resíduos nucleares. Duas questões ótimas para alimentar os ecologistas de cá e de lá. Tema sensível para tempo de antena, excelente para estes empregados da ecologia que vivem de programas e subsídios nacionais e europeus. A independência económica destes clubes verdes é muito ténue e quando assim é o resto adivinha-se. Obviamente a opinião pública e o Governo vão atrás, têm que ir. Tudo isto parece que se reduz à necessidade de uma avaliação de impacte ambiental transfronteiriça e de uma queixa a Bruxelas como nunca antes tinha acontecido.
Quem conhece um pouco de Avaliação de Impacte Ambiental (AIA) sabe honestamente que, infelizmente, a esmagadora maioria das vezes este procedimento é um proforma legal que se ajusta às conveniências dos promotores; bem à medida. As decisões estão quase sempre tomadas e o elencar de um conjunto de medidas de minimização não resolve o “problema” mas serve para acalmar a corte. Comparar este folclore com a importância e interesse económico e social de Almaraz é ridículo. Isto não significa que o risco não exista e que não deva ser acautelado com toda a ciência e meios tecnológicos disponíveis. Ora, na presente situação o tema tem um potencial elevado risco e a coisa não se resolve com um estudo como se reclama. Vai-se por aqui porque nada mais se pode pedir ao governo espanhol e na verdade o eventual estudo, na prática, pouco ou nada iria alterar. Sobre a queixa a Bruxelas devemos saber que esta não tem efeitos suspensivos e nada altera as intenções do Governo de lá. Muito provavelmente quando Bruxelas disser alguma coisa a obra já estará numa fase avançada. Esta semana, em Lisboa, como que a retribuir a visita do nosso ministro a Madrid na semana passada, o Governo espanhol anunciou que a obra irá arrancar dentro de dias, imagine-se. Na sequência, ouvimos uma secretária de Estado portuguesa confessar a esperança num bom acordo entre os dois países. O que será um bom acordo? Intriga-me muito. O fecho de Almaraz? Por tudo o que se tem dito e escrito esse é o único final que se aceita como bom. Sei e todos sabemos que o aterro de resíduos nucleares vai ser construído e por isso não se compreende o que é “um bom acordo”. Do lado de lá no mesmo dia do anúncio do arranque da obra para muito breve ouviu-se um argumento simples e eficaz, “podem os portugueses estar descansados porque para além de tudo vamos garantir a segurança do povo espanhol”. Nesta linha, do lado de cá o que se deve exigir é conhecer detalhadamente o projeto, as medidas de segurança que vão ser tomadas e o programa de monitorização. Isto é, aproveitar a “boleia” para garantir que as intervenções em Almaraz diminuem o risco, mas não, como quase sempre é o faz de conta.
Carlos Cupeto – Universidade de Évora

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...

    Capas

    Assine O MIRANTE e receba o Jornal em casa
    Clique para fazer o pedido