uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Monumento em Vialonga coloca políticos e dadores de sangue em rota de colisão
POLÉMICA . Monumento foi construído na rotunda do Cabo às portas de Vialonga

Monumento em Vialonga coloca políticos e dadores de sangue em rota de colisão

Em causa construção de monumento antes de ser aprovado pelo executivo. Dadores de Vialonga pediram financiamento ao município para construir um monumento de homenagem aos dadores de sangue mas avançaram com a sua construção antes da proposta ter sido aprovada, o que gerou incómodos profundos no executivo.

Edição de 15.03.2017 | Sociedade

A construção de um monumento de homenagem aos dadores de sangue em Vialonga, concelho de Vila Franca de Xira, está envolto em polémica pela sua construção ter avançado antes de ter sido aprovada em reunião de câmara.
O Grupo de Dadores de Sangue de Vialonga pediu financiamento para a obra ao município mas não esperou que a proposta fosse aprovada e avançou com as obras. Na última semana, quando em reunião de câmara se discutia a proposta de apoio à obra, a novidade do monumento já estar construído apanhou os autarcas de surpresa e a entrega do apoio foi suspensa para que o presidente do município, Alberto Mesquita (PS), apurasse junto da direcção do grupo que circunstâncias levaram a que a obra avançasse antes de estar aprovada.
Alberto Mesquita diz que nunca teve dúvidas que era “justa” uma homenagem a todos os dadores de sangue, “um sinal de generosidade que deve ter grande atenção e respeito” da comunidade. Mas não escondeu estar “profundamente incomodado” pelo facto do monumento ter sido construído antes de ter sido aprovado o apoio.
“As pessoas devem pensar nas consequências dos seus actos e se não fosse pensar no grupo de dadores eu diria que o presidente da associação errou e não merecia ser apoiado, porque se o monumento está feito é porque a associação tem dinheiro para o fazer”, criticou o autarca.
Alberto Mesquita foi ainda mais longe lamentando que os dadores “não tenham culpa” da “decisão do presidente” do grupo que, no futuro, “terá de ter outra atitude, mais reservada” e que exija o licenciamento municipal.
O monumento é uma réplica do monumento feito em homenagem aos dadores de sangue da cidade de Guimarães. A maquete foi aprovada e o local escolhido - junto à rotunda do Cabo, em Vialonga - mereceu luz verde do presidente da junta.
“Há pessoas que não perceberam ainda que o concelho mudou. Não posso autorizar que tenha havido obras no espaço público sem que se tenha feito algo ao nível da fiscalização. Que seja a última vez que isto acontece no nosso concelho”, alertou Rui Rei, da Coligação Novo Rumo, liderada pelo PSD.
A situação gerou incómodo também na CDU, com Ana Lídia Cardoso a lamentar que a proposta de apoio não contemplasse informação adicional sobre a obra, como os seus custos e a justificação do local.
O MIRANTE contactou o presidente da direcção do grupo, José Pires, para obter mais esclarecimentos sobre o caso mas este recusou falar do assunto até que o mesmo seja discutido em nova reunião da câmara municipal.

Monumento em Vialonga coloca políticos e dadores de sangue em rota de colisão

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...

    Capas

    Assine O MIRANTE e receba o Jornal em casa
    Clique para fazer o pedido