uma parceria com o Jornal Expresso
27/05/2017
Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Fosforescente Serafim das Neves
Edição de 05.04.2017 | Emails do Outro Mundo

Tenho a comunicar-te que atingimos a maioridade. Ou seja, já andamos nisto de trocar e-mails do outro mundo há precisamente 18 anos. Pela minha parte digo-te que não senti o tempo passar de tão distraído que tenho estado a distribuir louvores e elogios aos nossos clientes habituais.
Um aniversário não é motivo para descurar a nossa nobre tarefa e por isso passo de imediato à acção. O ilustre presidente da Câmara Municipal de Ourém, o camarigueiro (camarada, amigo e companheiro), Paulo Fonseca, diz que não está nada preocupado com a possibilidade de vir a perder o mandato por causa da sua notabilíssima capacidade para desenrascar um treinador de borla para a equipa de futsal da Freixianda, pagando-lhe uma parte do ordenado como se ele estivesse a trabalhar como vigilante numa escola onde a directora era a mulher do seu chefe de gabinete.
Eu se fosse a ele estava na mesma. A única preocupação que eu poderia ter era a de vir a ser condecorado no próximo 10 de Junho. Com um Presidente da República tão amigo do desporto como o Marcelo Rebelo de Sousa, nunca se sabe.
Em Tomar um munícipe que a presidente da câmara, Anabela Freitas, diz ter construído sem licença meteu-lhe dois processos em tribunal por falta de resposta a uns requerimentos e já lhe fez desembolsar dez mil euros. Vê-se mesmo que a presidente, ou presidenta, já que o feminino existe e está no dicionário, ainda tem muito que aprender. Então ela não sabe que quem constrói sem licença tem mais mérito e merece melhor tratamento do que quem constrói com licença?!
E será que também não sabe que quem sabe como construir sem licença e evitar a demolição é porque também sabe como fazer muitas outras coisas difíceis como levar presidentes ou presidentas à falência?!
Eu cá se alguma vez tiver que construir alguma coisa há-de ser sem licença. É mais rápido, mais barato e evitam-se chatices e burocracias. Diz-me lá, sabes de algum caso nos últimos oitocentos anos em que algum português tenha sido obrigado a demolir, uma parede que fosse, que tenha construído sem licença? Eu não me lembro de ter ouvido falar de tal coisa e já sou mais velho que o sabão. Ordens e notificações para demolição sei que há camionetas delas. Demolições népia.
Um dos últimos casos de notificações para demolir aconteceu no Entroncamento e já foi há mais de quatro anos. A câmara mandou demolir uma parte de um hotel que não estava no projecto de licenciamento. Mandou uma vez, mandou duas e à terceira quem foi demolido foi o partido que tinha maioria na câmara que era o PSD. A seguir veio o PS e já não se deixou levar. Teve que alterar o regulamento de construção, é verdade, mas evitou mais chatices. O que era ilegal passou a legal e não se fala mais nisso que até parece mal.
Está por aí a rebentar mais uma comemoração do 25 de Abril e é bom sabermos que a implantação da democracia não foi em vão. Ainda hoje li que a empresa Fabrióleo meteu uma acção em Tribunal contra o município de Torres Novas porque, tanto a câmara municipal como a assembleia municipal votaram contra um pedido de declaração de interesse municipal que lhes tinha sido apresentado. É maravilhoso acontecerem coisas como estas, Serafim. Como canta o Sérgio Godinho, é a liberdade que está a passar por aqui. Imagino a cara de satisfação do capitão Salgueiro Maia, se ainda fosse vivo.
Antes do 25 de Abril vem a Páscoa e na Sexta-feira Santa há aquelas recriações da caminhada de Cristo com a cruz às costas até ao local onde foi crucificado, com uns figurantes vestidos de soldados romanos à chibatada nas costas do que finge ser Jesus. Eu como sei que tu és muito voluntarioso estou preocupado. Se lá na tua terra te meterem ao barulho pede para fazeres de soldado ou de Pôncio Pilatos. Ouviste?!
Saudações borregueiras
Manuel Serra d’Aire

Comentários
Mais Notícias
    A carregar...