uma parceria com o Jornal Expresso
17/08/2017
Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Turismo 2027

Temos profundamente um país assimétrico e desequilibrado, onde as histórias dos aeroportos (o novo de Lisboa e o de Beja) mostram bem que não planificamos e andamos ao sabor de impulsos e motivações.

Edição de 20.04.2017 | Opinião

Depois da invasão espanhola na Páscoa apetece voltar a falar de turismo. Bem ou mal o turismo toca em tudo o resto que se possa escrever; talvez por isto este tem sido, sem dúvida, o tema que mais tenho escrito nos últimos tempos. Recentemente saiu à luz o documento estratégico - não se sabe até quando (?). Pelo menos desejamos que até este Governo se mantenha em funções. Os próximos dez anos de turismo em Portugal estão aqui bem estudados, é obra. Enquanto a quantidade for uma realidade quase tudo é fácil. A secretária de Estado do Turismo, em completo estado de graça, escreve: “em 2016, o turismo atingiu números recorde em Portugal, com especial destaque para: alargamento da atividade turística a meses menos tradicionais, tendo dois terços do crescimento acontecido na chamada “época baixa”; aumento do emprego no turismo (falta só qualificar este trabalho, escrevo eu); crescimento em todas as regiões; ritmo de crescimento das receitas turísticas e dos proveitos hoteleiros mais acelerado do que o aumento de hóspedes; diversificação de mercados emissores, com crescimentos expressivos do mercado americano, polaco e brasileiro; dinamização do mercado interno; reconhecimento internacional, com aumento significativo de prémios internacionais”. Que mais se pode pedir? Cerca de 80% disto tudo respeita a Lisboa, Algarve e Madeira, também um bocadinho de Porto. Isto é, temos profundamente um país assimétrico e desequilibrado, onde as histórias dos aeroportos (o novo de Lisboa e o de Beja) mostram bem que não planificamos e andamos ao sabor de impulsos e motivações que a maioria das vezes nem vale a pena saber quais. Que mais se pode pedir? Respondo, tudo o que o referido documento aponta como estratégico. Se assim fosse, “desabafo”, estaríamos a pensar e a fazer bem. Obviamente que neste ambiente de festa do país rico as projeções apontam para um crescimento continuo até 2030, depois logo se vê; a expectativa é continuar a crescer no mesmo contexto como se nada mudasse. No que respeita aos principais desafios, já os lemos muitas vezes anteriormente: combate à sazonalidade; valorização do património e cultura; desconcentração da procura; qualificação e valorização dos recursos humanos; estímulo à inovação e ao empreendedorismo. Para quem vive e trabalha no país pobre tudo isto nos dá muito jeito. Alguém discorda? Só falta mesmo tornar a letra viva. Alguém acredita?
Carlos Cupeto – Universidade de Évora

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...