uma parceria com o Jornal Expresso
29/04/2017
Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
QUEIXAS. Moradores do Casal das Areias foram à última reunião pública de câmara pedir melhorias no bairro
Abaixo-assinado contra degradação do Casal das Areias em Alverca
Principal preocupação dos residentes é a instalação de uma central de betão na zona. Uma centena de moradores assinou documento que apela ao município para que melhore os espaços públicos do bairro do concelho de Vila Franca de Xira.
Edição de 20.04.2017 | Sociedade

Os moradores do Casal das Areias, em Alverca, concelho de Vila Franca de Xira, querem que a câmara melhore o estado do bairro de modo a reverter o estado de degradação a que este já chegou. Os residentes mostram-se também preocupados com a recente instalação de uma central de betão a poucos metros das habitações.
Em sinal de protesto reuniram 104 assinaturas num abaixo-assinado, que já foi entregue na Câmara de Vila Franca de Xira, no qual reclamam por uma maior atenção do município. As principais estradas do bairro estão esburacadas e em mau estado, não há passeios, em alguns locais a iluminação pública não funciona e o estacionamento abusivo de camiões nas ruas prejudica a normal circulação de pessoas e automóveis.
Na última reunião pública de câmara duas moradoras do bairro foram perante o executivo pedir uma intervenção urgente no local. “Gostávamos que olhassem para o Casal das Areias. Algumas zonas, como a que ia dar lugar ao Parque Ribatejo [mega-centro comercial que não chegou a avançar] está completamente degradado e transformado numa lixeira, toda a gente ali deita o que bem quer e lhe apetece, é preciso que o presidente actue para parar isto”, apelou Isabel Carrasco.
A recente instalação de uma central de betão no local, que ainda não está a laborar, é também motivo de preocupação para os moradores, já que se temem impactos resultantes da produção, como poeiras, rebentamentos e tráfego intenso de camiões. “Para isso já temos a pedreira. Não sabemos que prejuízos nos vai causar. Instalaram a central e ninguém ouviu os moradores”, lamentou Isabel Carrasco.
O presidente da câmara, Alberto Mesquita (PS), lembrou que a conclusão da construção da central de betão está embargada e dependente de um parecer favorável da Agência Portuguesa do Ambiente, solicitado pela câmara, para determinar se o que está construído é o que efectivamente constava em projecto. Isto porque, como O MIRANTE já noticiara, há suspeitas de ter havido impactos não previstos numa linha de água que passa no local.
“Estamos à espera que a APA nos diga o que aconteceu ali. Mas as empresas são necessárias porque sem elas não há emprego. O que tem de existir é respeito mútuo”, referiu Alberto Mesquita. O autarca defendeu também que o Parque Ribatejo teria sido “uma excelente oportunidade” de requalificar todo aquele bairro mas que, por imprevistos globais do mercado financeiro, nomeadamente a crise económica, acabaram por impedir o avanço do projecto.

Comentários
Mais Notícias
    A carregar...