uma parceria com o Jornal Expresso
24/05/2017
Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
PSD e CDS-PP voltam a concorrer coligados em Ourém com os mesmos cabeças de lista
Luís Albuquerque lidera lista à câmara e João Moura à assembleia municipal
Edição de 03.05.2017 | Política

O PSD e o CDS-PP de Ourém vão voltar a concorrer coligados às eleições autárquicas de 1 de Outubro. Os dois partidos vão apresentar listas à câmara municipal, assembleia municipal e juntas de freguesia. A formalização da coligação, a que voltam a dar o nome de Ourém Sempre, apesar de no boletim de voto aparecerem os nomes dos partidos, decorreu no cine-teatro da cidade.
A iniciativa contou com a presença de dirigentes do PSD, como o secretário-geral, José Matos Rosa, presidente da distrital, Nuno Serra, e do deputado social-democrata. Duarte Marques. Pelo CDS-PP esteve presente o coordenador autárquico, Domingos Doutel. Durante a sessão foi anunciado João Moura como cabeça-de-lista à assembleia municipal, repetindo a candidatura de 2013. Há quatro anos a coligação PSD/CDS-PP venceu as eleições para este órgão, no entanto na eleição feita pelos eleitos dos vários partidos acabou por ficar como presidente Deolinda Simões, cabeça de lista do PS, após se ter desvinculado do PSD. Deolinda beneficiou de um acordo pós eleitoral entre o PS e o MOVE (Movimento Ourém Vivo e Empreendedor).
O candidato da Coligação Ourém Sempre à presidência da Câmara de Ourém, Luís Albuquerque, que também é o presidente do PSD de Ourém, refere que este acordo dá continuidade à coligação feita em 2013. “Temos denunciado a incapacidade do executivo socialista em governar o concelho de Ourém. Existe falta de planeamento estruturado e vamos apresentar propostas sustentadas e consolidadas para o desenvolvimento do concelho. Os últimos oito anos foram anos de engano e ilusão”, referiu Albuquerque reforçando a confiança na candidatura do PSD e CDS-PP. José Matos Rosa também afirmou que a coligação é pela terra e não pelos partidos.
A presidente da concelhia do CDS, Sandra Nunes da Silva, referiu no seu discurso que a coligação entre ambos os partidos faz sentido por ter sido “possível pensar e criar uma alternativa de mudança. Uma alternativa que não se fica por quatro anos mas uma alternativa de mudança que visa pôr em prática um projecto comum que colocará Ourém definitivamente no mapa”, sublinhou.

Comentários
Mais Notícias
    A carregar...
    Capas
    Assine O MIRANTE e receba o Jornal em casa
    Clique para fazer o pedido