uma parceria com o Jornal Expresso
29/05/2017
Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Salas de aula do futuro em Rio Maior e São João da Ribeira
Novo conceito, implementado pelo Agrupamento de Escolas Fernando Casimiro Pereira da Silva, rompe com o espaço lectivo tradicional, apostando na tecnologia e no ensino prático.
Edição de 18.05.2017 | Sociedade

Têm tudo o que qualquer sala de aulas tradicional não tem, como tablets, microscópios, mesas interactivas e até cadeiras com rodas. São assim as “Salas do Futuro” inauguradas no dia 10 de Maio, no Centro Escolar n.º 2 de Rio Maior e no Centro Escolar Poeta Ruy Belo, em São João da Ribeira, apadrinhadas, respectivamente, pela presidente da Câmara de Rio Maior, Isaura Morais, e pelo professor Fernando Franco.
Estas salas fazem parte do projecto ActiveLab do Agrupamento de Escolas Fernando Casimiro Pereira da Silva de Rio Maior e procuram que os alunos aprendam de uma forma muito especial e inovadora. O sub-director geral da Educação, Pedro Cunha, refere que estes novos ambientes educativos, ao permitirem aos alunos aprenderem experimentando, explorando e fazendo perguntas, trazem melhores resultados escolares para os alunos.
A coordenadora do projecto ActiveLab do Agrupamento Fernando Casimiro, Cidália Marques, conta que esta nova geração está a virar-se mais para a parte da criação do que para os resultados e este projecto ActiveLab vem nesse sentido, de promover a mudança nas metodologias de ensino.
O Agrupamento Fernando Casimiro aceitou o desafio de ser uma das pioneiras no país a experimentar novas estratégias, novos recursos e a ter uma autonomia maior no ensino. O ActiveLab da escola sede do Agrupamento Fernando Casimiro Pereira da Silva foi inaugurado no dia 25 de Maio de 2016, é parte dessa estratégia e foi um dos primeiros a entrar em funcionamento no país, ao qual se juntam agora dois novos equipamentos.
O Agrupamento Fernando Casimiro é igualmente um dos seis, a nível nacional, a integrar os Projectos-Piloto de Inovação Pedagógica (PPIP), com uma duração de três anos, no final dos quais, e depois de avaliação, se decidirá sobre a sua extensão a outras escolas. Os PPIP “visam actuar de um modo preventivo no percurso escolar dos alunos”, possibilitando às escolas organizar as turmas de forma diferente, mudar o calendário escolar, substituíndo os três períodos por dois semestres, reformulando os modelos de avaliação, alterar a duração das aulas, entre outras medidas para eliminar o abandono e o insucesso escolar.

Comentários
Mais Notícias
    A carregar...