uma parceria com o Jornal Expresso
27/06/2017
Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
impasse. População continua à espera que o problema seja resolvido
Separadores junto à EN 118 no Porto Alto continuam à espera de soluções
Estruturas colocadas no Verão do ano passado obrigam moradores a caminhar junto à movimentada estrada, o que tem motivado reclamações. Um mal-entendido está na origem do impasse.
Edição de 07.06.2017 | Sociedade

Um mal-entendido entre a empresa pública Infraestruturas de Portugal (IP) e o empreiteiro responsável pela recolocação dos separadores metálicos na Estrada Nacional 118 no Porto Alto, concelho de Benavente, levou a que a situação ficasse em banho-maria até agora.
Em Setembro de 2016, O MIRANTE alertou para o perigo da localização dos separadores metálicos que foram colocados junto a um posto de abastecimento de combustíveis na Estrada Nacional 118, no Porto Alto. As estruturas foram colocadas a uma distância da estrada que obriga os residentes a andarem junto à via por não poderem passar no passeio.
Na altura, a Câmara de Benavente teve uma reunião com a IP na qual ficou acordado que o separador seria recolocado a uma distância que não colocasse em risco os transeuntes que por ali circulam. Mas até hoje, quase um ano depois, a situação ainda está por resolver. Porquê? Porque o empreiteiro não alterou suficientemente a posição do separador, continuando este a pôr em perigo quem passa por lá, embora a IP achasse que a situação já tinha sido definitivamente resolvida.
Questionado sobre a situação, o presidente da Câmara de Benavente, Carlos Coutinho (CDU), entrou novamente em contacto com a IP para tentar perceber a que se deve o atraso na obra e chegou à conclusão de que houve um mal-entendido. “Foram dadas indicações, depois da nossa reunião com as IP, para que ficasse salvaguardada a passagem dos peões no que diz respeito ao limite da faixa de rodagem e daquele separador que foi lá instalado. E de acordo com os registos que a IP tem agora, as coisas já estariam resolvidas”, diz o autarca.
“Eles deram as indicações, depois da primeira reunião, para que aquilo fosse feito de acordo com as boas regras e julgaram que as coisas estariam cumpridas. Ao que me disseram agora, o que falhou foi a execução da obra pelo empreiteiro, na altura”, explicou Carlos Coutinho, cuja insistência convenceu a IP a enviar novamente técnicos ao local para averiguar afinal o que foi feito e para ver o que vai ser preciso fazer a seguir. “O empreiteiro é que não terá cumprido com as normas que a IP terá considerado. Mas efectivamente aquilo não está bem, aquela distância que lá está ainda é muito reduzida e é preciso resolver a situação”, insiste Carlos Coutinho.

Moradores reclamam medidas
Recorde-se que, conforme O MIRANTE noticiou em 10 de Setembro de 1016, durante a construção de um posto de abastecimento de combustíveis na Estrada Nacional 118 no Porto Alto, foram instalados separadores metálicos que acabaram com uma faixa de terreno na berma da via por onde os moradores caminhavam.
A situação obriga quem vive no local a caminhar junto à estrada, que é bastante movimentada. Vários moradores queixaram-se do problema e a própria comissão de utentes de Benavente reclamou contra a situação. Pediam a remoção dos separadores metálicos para permitir a circulação dos peões em segurança ou, em alternativa, a criação de um corredor de passagem que permita a quem vive no local caminhar em segurança.

Comentários
Mais Notícias
    A carregar...